A BNCC E A COMPETÊNCIA ARGUMENTATIVA EM FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO

  • Izanete de Medeiros Costa
  • Antonio Júlio Garcia Freire
Palavras-chave: Ensino de Filosofia, BNCC, Elenchos, Argumentação

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir o ensino de Filosofia na Educação Básica brasileira apontando as possíveis alterações que a referida disciplina poderá sofrer com as mudanças preconizadas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O texto ressalta a importância do ensino da Filosofia para o desenvolvimento ou aprimoramento da competência da argumentação. A prática argumentativa está presente em diferentes metodologias filosóficas. Esse artigo limita-se a análise da metodologia elêntica presente nos diálogos socrático-platônicos, mais especificamente no Laques. A argumentação é apontada pela BNCC como uma das competências gerais que deverão ser desenvolvidas pelos alunos da Educação Básica. A flexibilização proposta pela BNCC poderá ter como consequência a exclusão ou minimização dos conteúdos de algumas disciplinas, entre elas a Filosofia. Outro fator preocupante é que, devido a BNCC orientar a organização dos conhecimentos por competências e habilidades e não por disciplinas, um professor sem formação específica na área poderá ministrar conteúdos de Filosofia. Além do domínio de conteúdos específicos, o ensino de Filosofia requer do professor uma postura filosófica, necessária para que os alunos desenvolvam uma argumentação filosófica consistente, definindo conceitos, analisando criticamente diferentes pontos de vista e posicionando-se de forma coerente.

Referências

BRASIL. Medida Provisória n° 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Disponível em: https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992. Acesso em: 07 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, 2017a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 02 jan. 2018.

BASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, 2017b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/observatorio-da-educacao/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/53031-resolucoes-cp-2017. Acesso em: 07 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base: Ensino Médio. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 07 fev. 2019.

CONCEIÇÃO, Thiago Gruner. Que interdisciplinaridade a BNCC oferece à Filosofia? Aproximações à língua portuguesa. REFilo - Revista Digital de Ensino de Filosofia, v. 6, p. 1 – 10, 2020. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/287358353.pdf. Acesso em 22 ago. 2020.

COSTA, Izanete de Medeiros. O estudo da metodologia elêntica dos diálogos platônicos e a argumentação crítica no Ensino Médio. 2019. 125 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Filosofia) - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Natal. Disponível em: http://www.uern.br/controledepaginas/proffilo-dissertacoes-defesa2019/arquivos/5400o_estudo_da_metodologia_elentica_dos_dielogos_platonicos_e_a_argumentacao_critica_no_ensino_medio.pdf. Acesso em 22 ago. 2020.

DUTRA, Jorge da Cunha. A relevância da filosofia como disciplina escolar no currículo do Ensino Médio. 2014. 330 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas. Disponível em: http://repositorio.ufpel.edu.br:8080/bitstream/prefix/3191/1/DUTRA%2c%20Jorge%20da%20Cunha.pdf. Acesso em: 20 mai. 2017.

FÁVERO, Altair Alberto; CENTENARO, Junior Bufon; SANTOS, Antonio Pereira dos. Reformas curriculares e o ataque ao pensamento reflexivo: o sutil desaparecimento da filosofia no currículo da Educação Básica no Brasil. REFilo - Revista Digital de Ensino de Filosofia, v. 6, p. 1 – 10, 2020. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Junior_Centenaro/publication/343448032_Reformas_curriculares_e_o_ataque_ao_pensamento_reflexivo_o_sutil_desaparecimento_da_filosofia_no_curriculo_da_Educacao_Basica_no_Brasil_Curricular_reforms_and_attack_on_reflective_thinking_the_subtle_/links/5f2aa98e299bf13404a2c3d4/Reformas-curriculares-e-o-ataque-ao-pensamento-reflexivo-o-sutil-desaparecimento-da-filosofia-no-curriculo-da-Educacao-Basica-no-Brasil-Curricular-reforms-and-attack-on-reflective-thinking-the-subtle.pdf. Acesso em 22 ago. 2020.

GONÇALVES, Ana Teresa M.. As festas romanas. Revista de Estudos do Norte Goiano, v. 1, n. 1, 2008, p. 26 - 68. Disponível em: https://historia.ufg.br/up/108/o/as_festas_romanas_ana_teresa.pdf. Acesso em: 03 mar. 2019

LIMA, Márcio Antônio Cardoso. Experiência com o ensino de Filosofia, por meio da pesquisa-ação, com professores da diretoria regional de ensino da cidade de Miracema do Tocantins – TO. Revista Diálogos educacionais, Curitiba, v. 12, n. 35, p. 253-275, 2012. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/5074. Acesso em: 02 fev. 2019.

LUIZ, Felipe. Precisões sobre o conceito de filosofia da guerra. Filogênese, v. 7, n. 2, 2014, p. 01-14. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/FILOGENESE/2_felipeluiz.pdf. Acesso em: 04 mar. 2019.

PLATÃO. O Sofista. In: ______. Diálogos: O Banquete, Fédon, Sofista, Político. Tradução e notas de José Cavalcante de Souza. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979. p. 129 - 195.

PLATÃO. Górgias. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1980. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/~fidalgo/retorica/platao-gorgias.pdf. Acesso em: Acesso em: 07 jun. 2017.

PLATÃO. Teeteto-Crátilo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Gráfica e Editora Universitária UFPA, 1988.

PLATÃO. Mênon. Edição bilíngüe grego-português. Tradução de Maura Iglésias. São Paulo: Loyola; Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2001.

PLATÃO. Apologia de Sócrates. Tradução de Maria Lacerda de Moura. 19. ed. São Paulo: Ediouro, 2002.

PLATÃO. Laques (ou Da Coragem). In.: ______. Diálogos VI: Crátilo (ou Da Correção dos Nomes), Cármides (ou Da Moderação), Laques (ou Da Coragem), Ion (ou Da Ilíada) e Menexeno (ou Oração Fúnebre). 2. ed. Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Edipro, 2016.

RODRIGO, Lidia Maria. Da ausência à presença da Filosofia: o desafio da iniciação à reflexão filosófica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 1, n. 2, p. 19-23, 1987. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/1986/1655. Acesso em 22 ago. 2020.

SANTOS, José Trindade. Para ler Platão. Tomo I. A ontoepistemologia dos diálogos socráticos. São Paulo: Loyola, 2008.

SOUSA, Kairon Pereira de Araújo. A Filosofia no Ensino Médio: alguns desafios. Revista Espaço Acadêmico, v. 17, n. 195, p. 70-81, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/34211/20480. Acesso em: 08 nov. 2018.

ZUBEN, Newton Von A. Filosofia e Educação: atitude filosófica e a questão da apropriação do filosofar. Pro-posições, Campinas, v. 3, n. 2, p. 7-27. 1992. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644401/14986. Acesso em 22 ago. 2020.
Publicado
2021-02-17
Seção
Dossiê Ensino de Filosofia