ERNST BLOCH E A CONVERSÃO UTÓPICA

  • Gianfranco Ferraro
Palavras-chave: Abensour, Conversão filosófica, Hadot, Exercícios espirituais

Resumo

O artigo tenta investigar a abordagem à utopia de Ernst Bloch, focando-se em particular no Espírito da utopia. A partir da interpretação de Miguel Abensour da utopia como forma de “conversão”, e através das reflexões de Pierre Hadot sobre a história da conversão como fenómeno espiritual que interseta quer a filosofia quer a religião, o artigo estuda a modalidade com que uma conversão utópica se define em Bloch. A consequência desta reflexão consiste na possibilidade de abordar a própria filosofia de Bloch, tal como a tradição utópica no seu todo, dentro do horizonte da filosofia como maneira de viver, conforme a abordagem de Hadot: uma modalidade filosófica esta, característica da Antiguidade, mas também presente na modernidade, caracterizada por técnicas e práticas de escrita que visam, mais do que a uma compreensão teórica dos fenómenos, a uma transformação das práticas de vida. Recuperando esta modalidade filosófica, Bloch abre o caminho para uma espiritualidade política na qual se enraíza, por fim, a potência transformativa da própria utopia.

Referências

ABENSOUR, Miguel. Le Procès des maîtres rêveurs. Utopiques I. Arles: Les Éditions de la nuit, 2011.
ABENSOUR, Miguel. L’homme est un animal politique. Utopique II. Paris: Sens & Tonka, 2013.
ABENSOUR, Miguel. L’histoire de l’utopie et le destin de sa critique. Utopique IV. Paris: Sens & Tonka, 2016.
BLOCH, Ernst. The Principle of Hope. Cambridge, Mass: MIT Press, 1986.
BLOCH, Ernst. Spirito dell’utopia. Milano: Bur, 2004
HADOT, Pierre. Plotin ou la simplicité du regard. Paris: Folio, 1997.
HADOT, Pierre. La Philosophie comme manière de vivrre. Entretiens avec Jeannie Carlier et Arnold I. Davidson. Paris: Albin Michel, 2001.
HADOT, Pierre. Exercises spirituels et philosophie antique. In: Exercises spirituels et philosophie antique. Paris: Albin Michel, 2002a, pp. 19-74.
HADOT, Pierre. Conversion. In: Exercises spirituels et philosophie antique. Paris: Albin Michel, 2002b, pp. 223-235.
LEVINAS, Emmanuel. Sur la mort dans la pensée d’Ernst Bloch. In Utopie, marxisme selon Ernst Bloch. Paris: Payot, 1976.
MACHEREY, Pierre. De l’Utopie!, Lille: De l’Incidence, 2011.
MORDACCI, Roberto. Ritorno a Utopia. Milano: Laterza, 2020.
OLIVEIRA, Hudson Mandotti de. A força utópica do messianismo político de Ernst Bloch. In: UFMG, v. 24, n. 1 e 2, p. 16-39, jan./dez. 2017.
PEZZELLA, Mario. La memoria del possibile. Milano: Jaca Book, 2009.
PEZZELLA, Mario. Insorgenze. Milano: Jaca Book, 2014.
RICOEUR, Paul. L’idéologie et l’utopie. Paris: Seuil, 1997.
THOMAS MORUS. Utopia, ou a melhor forma de governo. Tr. Aires A. Nascimento. Intr. J. V. de Pina Martins. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 2015.
Publicado
2021-04-30
Seção
Dossiê Ernst Bloch