O FETICHISMO DO CAPITAL PORTADOR DE JUROS

Palavras-chave: Capital, Fetichismo, Juros

Resumo

O objetivo deste artigo é demonstrar como o capital portador de juros aparece na superfície da economia capitalista como potência autocriadora, fetichista, independente ou, em outras palavras, dissociada de seu fundamento real. O dinheiro alienado sob promessa de valorização futura, cuja expressão reside na fórmula D-D’, oblitera toda a intermediação do processo que permite o desenvolvimento do sistema de crédito, particularmente a produção e a realização do valor cristalizado na mercadoria. Embora os juros, assim como o lucro empresarial e a renda fundiária, sejam provenientes da exploração do trabalho, seu conteúdo parece dotado de autonomia e abstraído do capital industrial.

Referências

HARVEY, David. Para entender O capital: livros II e III. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro III. O processo global da produção capitalista. São Paulo: Boitempo, 2017.
Publicado
2021-12-30
Seção
Artigos Fluxo Contínuo