LEITURA SOBRE DIFERENTES DIMENSÕES DA VIOLÊNCIA E DA LEI E REFLEXÕES SOBRE POLÍTICA E EDUCAÇÃO, COM BASE EM SLAVOJ ZIZEK

Palavras-chave: Zizek, Violência, Política, Lei, Educação

Resumo

Em sua abordagem paraláctica da violência, Slavoj Zizek (2014) chama a atenção para as suas múltiplas dimensões, quais sejam: a simbólica, a sistêmica e a subjetiva. Já no que se refere à ambiguidade da Lei, cabe observar que no nível positivo do direito ela se encontra entrelaçada e comprometida com o poder do Estado. De outro lado, ao nível do inconsciente psíquico, ela emerge na forma de interdito inconsciente incondicional. Ainda, por outro lado, o ato político, enquanto ato de liberdade e de emancipação, não pede permissão a nenhum “grande Outro” disfarçado de legitimação/autorização liberal-democrática de nossos atos. Ao contrário, o ato se autoriza por si mesmo com base em sua própria Causa. Por fim, no que tange à educação, esta está em larga medida privatizada hoje, o que impõe o recuo da educação pública e universal. Assim, o ato pedagógico tem como desafio, uma práxis de ruptura e superação frente ao discurso e à prática do capital.

Referências

SAFATLE, Vladimir. Posfácio: A política do real de Slavoj Zizek. In: ZIZEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real!: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo, Boitempo, 2003, pp.179-191.

ZIZEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. São Paulo, Boitempo, 2014.

________. Alguém disse totalitarismo?: cinco intervenções no (mau) uso de uma noção. SP, Boitempo, 2013.

________. O ano em que sonhamos perigosamente. São Paulo, Boitempo, 2012.

________. Em defesa das causas perdidas. São Paulo, Boitempo, 2011a.

________. Primeiro como tragédia, depois como farsa. SP, Boitempo, 2011b.

________. Linguagem, violência e não violência. In: Margem Esquerda – Ensaios Marxistas, nº14, São Paulo, Boitempo, 2010, pp.49-61.

________. O sujeito incômodo: o centro ausente da ontologia política. Lisboa, Relógio D´Água Editores, 2009a.

________. De la démocracie à la violence divine. In: Democracie, dans quel État? Paris, La Fabrique Ed., 2009b.

________. A visão em paralaxe. São Paulo, Boitempo, 2008.

________. Às portas da revolução: seleção de escritos de Lenin de fevereiro a outubro de 1917. São Paulo, Boitempo, 2005.

________. Bem-vindo ao deserto do real!: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo, Boitempo, 2003.
Publicado
2021-12-30
Seção
Artigos Fluxo Contínuo