O papel do bibliotecário como educador ambiental e suas contribuições amparadas pela aprendizagem significativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v6iespecial.2021.62701.71-90

Palavras-chave:

Bibliotecário, Educação Ambiental, Educação não-formal

Resumo

Diante da realidade ambiental em que se vive é necessário que haja a colaboração de diversos profissionais para a garantia de um ambiente saudável, para esta e as próximas gerações. As bibliotecas, espaços de preservação do patrimônio e indissociáveis da educação, são vitais para desenvolvimento social e da preservação ambiental das sociedades onde operam. Nesse contexto, o bibliotecário tem ampliado seus espaços de atuação para além das tradicionais atividades atinentes à biblioteca e, tem se destacado. Pois, é por meio da mediação, junto aos usuários na busca pela informação, valorizando o que eles já sabem que a Aprendizagem Significativa ocorre. Nessa linha, propõe-se uma reflexão sobre as bibliotecas enquanto espaços de aprendizagem, a partir de revisão bibliográfica, discutindo a contribuição do bibliotecário como educador para a Educação Ambiental. Esse estudo possibilitou concluir que o bibliotecário não só pode operar neste contexto como possui as atribuições para atuar em projetos de educação ambiental. Seu papel deve ampliar-se, para além da atuação como intermediário do processo informacional, para assumir o espaço que lhe cabe como interagente, tanto com o produtor da informação quanto com quem dela faz uso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Paranhos de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

É bacharela em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2017) e especialista em Educação Ambiental pela Faculdade São Luís (2020) e mestranda do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: Químicas da vida e saúde, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2019) e membro do Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação do Campo e Ciências da Natureza da mesma instituição. Atualmente é servidora pública da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, exercendo atividades técnicas administrativas junto a PROPLAN/DPG. Exerce a função de Tutora 1 dos cursos de Treinamento EAD do SEI - Conecte-se UFRGS. Foi secretária dos Programas de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia e Ciências em Gastroenterologia e Hepatologia, na Faculdade de Medicina/UFRGS. Trabalhou, também, como secretária da Comissão de Pós-Graduação (COMPG) da Faculdade de Medicina/UFRGS. Tem experiência na área de biblioteconomia, atuando principalmente com temas da educação infantil e produção científica. Atualmente, pesquisa sobre abordagens didático-pedagógicas para o Ensino de Ciências, com enfoque em Ciências da Natureza e Educação Ambiental. Tem interesse nas áreas de conservação, educação ambiental e prevenção da saúde.

Sabrina Silveira da Rosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Educação Física pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2005). Atualmente é professora da Prefeitura Nova Santa Rita desde 2003. Mestranda do curso do Pós-Graduação em Educação em Ciências : Química da Vida e Saúde, com orientação do Professor Doutor José Vicente Lima Robaina. Coordena a Cooperativa Escolar Rui Barbosa, da Emef Rui Barbosa, de Nova Santa Rita. Coordenou interinamente o Clube de Ciências Saberes do Campo, da Emef Rui Barbosa. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em magistério, séries iniciais. Possui pós graduação em atividade física e saúde pela Universidade Gama Filho. Foi coordenadora de cultura e esporte da cidade de Nova Santa Rita de 2006 à 2012.

Maria do Rocio Fontoura Teixeira, UFRGS

Doutora em Educação em Ciências, pelo Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da UFRGS, com a tese Redes de Conhecimento em Ciências. Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996) e graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1975). Professora aposentada do Departamento de Ciências da Informação da Faculdade de Biblioteconomia da UFRGS, é professora Permanente do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Coordenadora do Programa de Gestão Documental da FAURGS. Associada à Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento - RS. Tem experiência na área de Educação em Ciências e Ciências da Informação, com ênfase em Gestão da Informação, Gestão do Conhecimento, Gestão Documental, Redes de Conhecimento, Produção Científica, Fontes de Informação Científica e Tecnológica, Análise de Redes Sociais e Espaços não Formais de Educação.

Referências

ALMEIDA, L. R. M. Avaliação formativa no contexto da Construção do mapa conceitual. Sitientibus, n. 36, p. 175-195. Disponível em: http://www2.uefs.br:8081/sitientibus/pdf/36/avaliacao_formativa_no_contexto_da_construcao_do_mapa_conceitual.pdf. Acesso em: 8 maio 2019

AUSUBEL, D.P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BICHERI, A. L. A. O.; ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Bibliotecário escolar: um mediador de leitura. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 2, n.1, p. 41-54, 2003. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/berev/article/view/106585/105180 . Acesso em: 8 maio 2019.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2002.

BRASIL. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as diretrizes curriculares nacionais para a educação ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, n. 116, 18 jun. 2012. Seção 1, p. 70.

CAMPELLO, B. S. Letramento informacional: função educativa na escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CAPRA. F. As conexões ocultas: ciências para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2005.

CARDOSO. N. B. A contribuição do bibliotecário para a educação ambiental. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 15. n. 2, p. 189-206, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v15n2/a10v15n2.pdf. Acesso em: 8 maio 2019.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: Formação do Sujeito Ecológico. 2. ed. São Paulo Cortez, 2006.

DUDZIAK, E. A.; GABRIEL, M. A.; VILLELA, M. C. O. Sociedade de aprendizagem e os desafios para os profissionais da informação em sua atuação educacional. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 19., Porto Alegre, 2000.. Anais [...] Porto Alegre: FEBAB, 2000. Disponível em: http://dici.ibict.br/archive/00000717/. Acesso em: 01 abr. 2009.

FREIRE, P. O que é método Paulo Freire. 8. ed. São Paulo (SP): Brasiliense; 1993.

Gohn, M. G. Educação não-formal e cultura política. Impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo, Cortez, 1999.

GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação das políticas públicas de educação, v. 14 n. 50, p. 27-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405.pdf. Acesso em: 5 maio 2019

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa. n. 118, p. 189-206. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742003000100008. Acesso em: 8 maio 2019.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau: FURB, 2001.

LISBOA, C. P; KINDEL,E. A. I. Educação Ambiental da teoria à prática. Porto Alegre: Mediação, 2012.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Matilde Endlich Orth. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MARTUCCI, E. M. Sobre educação bibliotecária e perfil profissional. Palavra-Chave, São Paulo, n. 3, p. 2-3, out. 1983.

MARTINS, M. S.; CIPOLAT, S. O bibliotecário como agente socializador na disseminação da informação sobre meio ambiente: relato de experiência. Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v.18, n. 2, p. 179-190, 2006. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000000087/029d3e9cb0183d5701af0fe780686e92. Acesso em: 8 maio 2019.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento, execução, análise. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

MUGGLER, C. C. et al. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. Revista Brasileira de Ciência do Solo. n. 30, p. 733-740, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcs/v30n4/14.pdf. Acesso em: 8 maio 2019.

PIAGET, J. A epistemologia genética. São Paulo: Abril Cultural, 1990.

SILVA, J. D. O; CUNHA, J. A. O papel educativo da biblioteca escolar no contexto do Plano Nacional de Educação. Revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 21, n. 46, p. 45-58, 2016. Disponível em: file:///C:/Users/mariana/Downloads/O_papel_educativo_da_biblioteca_escolar_no_context.pdf. Acesso em: 8 maio 2019.

TRILLA, J. A educação não formal. In: ARANTES, V. A.(org.).
Educação formal e não-formal: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus,
2008. p. 15-55.

VALE M., J.; COUTO, S. Princípios Freirianos e o Sócioconstrutivismo. São Paulo, 2003. 20p.

VIEIRA, A. S. PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE FLORES:
uma proposta ecológica para a Biblioteconomia. R. Esc. Bibliotecon, Belo Horizonte,
v. 15, n. 2, p. 202-209, set. 1986.

PEREIRA, D. S. C. O ato de aprender e o sujeito que aprende. Construção Psicopedagógica, v. 18, n. 16, p. 112-128, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cp/v18n16/v18n16a10.pdf. Acesso em: 8 maio 2019

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

OLIVEIRA, Mariana Paranhos de; ROSA, Sabrina Silveira da; TEIXEIRA, Maria do Rocio Fontoura. O papel do bibliotecário como educador ambiental e suas contribuições amparadas pela aprendizagem significativa. Informação em Pauta, [S. l.], v. 6, n. especial, p. 71–90, 2021. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v6iespecial.2021.62701.71-90. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/62701. Acesso em: 13 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)