Graffiti

um desafio ao discurso patrimonial

Autores

  • Igor Soares Amorim Universidade do Estado de Santa Catarina https://orcid.org/0000-0003-2606-6000
  • Renata Cardozo Padilha Universidade Federal de Santa Catarina
  • Thaina Castro Costa Figueiredo Lopes

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v7i00.2022.81118.1-20

Palavras-chave:

Graffiti, Patrimônio, Memória, Patrimônio Imaterial, Organização do Conhecimento

Resumo

O graffiti trata-se de uma manifestação cultural que se estabelece no século XX como forma de expressão de grupos marginalizados nos meios urbanos. O processo de patrimonialização, refere-se ao meio institucional de legitimação das memórias de grupos delimitados pelo tempo e espaço. Neste texto, procura-se reconhecer as potencialidades do graffiti enquanto bem patrimonial. Para tanto, utiliza-se de revisão bibliográfica, com o intuito de definir as noções de graffiti, patrimônio e memória. Ressalta-se que os procedimentos técnicos da patrimonialização não neutralizam as políticas de seleção de seus bens requerentes, esses definidos a partir de uma disputa de poder. Em suma, o graffiti corresponde à expressão de valores marginalizados da cidade e sua preservação, enquanto discurso patrimonial, é possível a partir da criação de normativas que consideram manifestações culturais como patrimônio imaterial relevante à memória local e nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Soares Amorim, Universidade do Estado de Santa Catarina

Formado em Ciências da Informação, Documentação e Biblioteconomia pela Universidade de São Paulo. Mestre e Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi professor substituto do departamento de Ciência da Informação (UFSC), onde atuou nas graduações de Administração, Arquivologia e Biblioteconomia. Atualmente é professor substituto do curso de Biblioteconomia na Universidade do Estado de Santa Catarina. É professor no curso de Biblioteconomia EaD da Universidade Federal de Rio Grande. Compõe o grupo de pesquisa Representação e Organização do Conhecimento (ROC/UFSC). Integra o Conselho Regional de Biblioteconomia 14° região. Tem como principais temas de pesquisa a organização e representação do conhecimento, tratamento da informação, epistemologia da biblioteconomia e da ciência da informação, fundamentos históricos e teóricos da biblioteconomia e ciência da informação, filosofia da diferença e informação.

Renata Cardozo Padilha, Universidade Federal de Santa Catarina

doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina e professora de Museologia pela Universidade Federal de Santa Catarina

Thaina Castro Costa Figueiredo Lopes

doutora em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora e professora de Museologia pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

AMORIM, Igor Soares; BRÄSCHER, Marisa. Grafite em Florianópolis: cartografia documental. In: INOMATA, Danielly Oliveira; TREVISOL NETO, Orestes (Orgs.). Inovação em biblioteconomia: temas transversais. Chapecó, SC : Argos, 2018. 178-196 p.
BRUNO, M. C. O. A perspectiva museológica e a articulação entre informação, memória e patrimônio. In: AZEVEDO NETTO, C. X. Informação, patrimônio e memória. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015.
CAMPOS, Ricardo. Movimentos da imagem no graffiti: das ruas da cidade para os circuitos digitais, In: VI Congresso Português de Sociologia: Mundos Sociais: saberes e práticas. Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades. Junho de 2008., p. 91-112, 2008.
CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ed. São Paulo: USP, 2008.
CHAGAS, M. S. Memória e poder: contribuição para a teoria e a prática nos ecomuseus. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE ECOMUSEUS, 2., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Tacnet Cultural Ltda., 2000. p. 12-18.
CIDADE CINZA. [Documentário]. Direção: Marcelo Mesquita e Guilherme Valiengo. 2013. 80 min, cor.
DESVALLES, A.; MAIRESSE, F. (Eds.). Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 2013.
FERREIRA, Maria Letícia Mazzucchi. Patrimônio: discutindo alguns conceitos. Diálogos, v. 10, n. 3, p. 79-88, 2006.
FONSECA, M. C. L. Para além da pedra e cal: para uma concepção ampla de patrimônio cultural. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2009. p. 56-76.
FONSECA, Maria Cecília Londres. Registro. In: REZENDE, Maria Beatriz; GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2015.
GITAHY, C. O que é graffiti?. São Paulo: Brasiliense, 2012.
GONTIJO, Mariana Fernandes. O direito das ruas: As culturas do graffiti e do hip hop como constituintes do patrimônio cultural brasileiro. Belo Horizonte 2012. [Dissertação] Programa de Pós-Graduação em Direito, da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. 2012.
LIMA, Fábio Rogério Batista. O graffiti como patrimônio cultural material. Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília- SP. 2018.
LOUREIRO, J. M. M. Informação, memória e patrimônio: breves considerações. In: AZEVEDO NETTO, C. X. Informação, patrimônio e memória. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015a.
LOUREIRO, M. L. N. M. Museu, patrimônio, memória. In: AZEVEDO NETTO, C. X. Informação, patrimônio e memória. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015b.
MOTTA, Lia; REZENDE, Maria Beatriz. Inventário. In: GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016.
POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.
RABELLO, Sonia. O tombamento. In: REZENDE, Maria Beatriz; GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2015.
SPINELLI, Luciano. Pichação e comunicação: um código sem regra. LOGOS 26: comunicação e conflitos urbanos. Ano 14, 1º semestre 2007.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

AMORIM, Igor Soares; PADILHA, Renata Cardozo; LOPES, Thaina Castro Costa Figueiredo. Graffiti: um desafio ao discurso patrimonial. Informação em Pauta, [S. l.], v. 7, n. 00, p. 1–20, 2022. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v7i00.2022.81118.1-20. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/81118. Acesso em: 15 abr. 2024.