Um jogo de tabuleiro na promoção do combate às doenças imunopreveníveis e infectocontagiosas

Palavras-chave: Educação em saúde., Enfermagem., Jogos e brinquedos.

Resumo

Introdução: As doenças imunopreveníveis como o sarampo ou infectocontagiosas igual a hanseníase tem grande relevância para saúde pública, estando ligadas diretamente aos níveis de mortalidade e morbidade. Práticas de educação em saúde demonstram efetividade na sua prevenção, mas nem sempre são as mais atrativas para jovens e adolescentes. Desta forma este trabalho teve o objetivo de criar um jogo de tabuleiro que incentive a prevenção dessas categorias de doenças. Metodologia: Foi realizado em quatro etapas: levantamento de referências, desenvolvimento do jogo, testes e coleta de dados, e por fim análise dos dados. Resultados: O jogo foi desenvolvido de forma que incentiva a cooperação entre os jogadores, estimulando assim interação e facilitando o aprendizado. Quando avaliada as informações contidas no jogo a fidedignidade, clareza e simplicidade apresentaram tanto o índice de validade de conteúdo (IVC) como o ranking médio (RM) muito acima do valor mínimo indicado. Obteve aprovação dos profissionais pesquisados e a recomendação a jogadores na faixa dos 15 anos. Conclusão: O jogo desenvolvido demonstra grande potencial para práticas de prevenção das doenças imunopreveníveis e infectocontagiosas, apresentando fácil reprodução com baixo custo, além de conteúdo claro, simples e fidedigno, que unido à sua ludicidade possibilita um aprendizado atrativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

William Baruch Lemos, Centro Universitário São Miguel

Socorrista técnico em enfermagem do SAMU - Paulista e acadêmico do curso de bacharelado de enfermagem no Centro Universitário São Miguel (UNISÃOMIGUEL). Tem interesse nas áreas de pesquisa da Fisiologia Humana e na Educação em Saúde com ênfase em elementos lúdicos.

Jose Ricardo Vasconcelos Cursino, Centro Universitário São Miguel

Graduando em enfermagem pelo Centro Universitário São Miguel e Pesquisador em tecnologias Educacionais para Saúde do Núcleo de Telessaúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Atua principalmente nos seguintes temas: Saúde, Enfermagem, Educação e Tecnologia da Informação para Saúde.

Amadeu Sá de Camos filho, Núcleo de Telessaúde do Hospital das Clínicas UFPE

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco (1998). Mestre em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2004). Fez Doutorado Sandwiche no Fraunhofer Institut em Darmstadt na Alemanha. Doutor em Ciência da Computação no Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco em 2014. Tem especialização em Informática em Saúde da UNIFESP e em Gestão e Tecnologias Educacionais para a Prática Docente em Saúde pela UNIVASF. Atualmente, é professor de informática médica do Centro de Ciências Médicas da UFPE e pesquisador em tecnologias Educacionais para Saúde do Núcleo de Telessaúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Ciência da Computação e Saúde Digital, com ênfase em Sistemas de Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino a distância, visualização da informação, Interface Homem Máquina e Tecnologia da Informação para Saúde.

Roberta Rayssa Magalhães da Silva, Centro Universitário São Miguel

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2009) e especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pelo Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães - FIOCRUZ/PE (2013). Atualmente é responsável pelas Políticas de Saúde da População Negra e LGBT na Secretaria de Saúde do Jaboatão dos Guararapes; docente e coordenadora adjunta no curso de Bacharelado em Enfermagem da UNISÃOMIGUEL.

Referências

Febrasgo. Manual de Orientação Doenças Infectocontagiosas [Internet]. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). 2010. 129 p.

Ministério da Saúde. Vacinação: Doenças Imunopreveníveis. 2000. 60 p.

Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2004: uma Análise da Situação de Saúde. 2004. 350 p.

Ministério da Saúde. Caderno temático verificação da situação vacinal. 2015. 19 p.

Luna EJA, Silva Jr. JB da. Doenças transmissíveis, endemias, epidemias e pandemias. In: A saúde no Brasil em 2030: população e perfil sanitário - Vol 2. 2013. 123–176 p.

Anastácio J, Johann AA, Silva AL, Colli SJRC, Panagio LA. Prevalência do vírus da hepatite B em indivíduos da região centro-ocidental do Paraná, Brasil. SaBios-Revista. 2008;3(2):10–5.

Pereira LS. Exelência: Design de jogo de tabuleiro para aprendizado de processos políticos. 2016.

Gerhardt TE, Silveira DT. Método de Pesquisa. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2009. 120 p.

Antunes J, De Queiroz ZF, Rodrigues dos Santos IB, Lima JDN. Ciclo Criativo De Jogos Colaborativos: Um Método Para Criação De Jogos Educativos. Holos. 2018;2:424–37.

Silva EJ da. O Design Sprint como Ferramenta para Engajamento da Equipe: Um Estudo de Caso. Hum Factors Des. 2018;7(13):191–202.

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciência e Saúde Coletiva. 2011;16(7):3061–8.

Oliveira MI de. Construção e Validação de Gibi Educacional sobre Saúde Sexual e Reprodutiva de Adolescentes Escolares. 2018.

Nunes; S da C, Duart MA, Vargas IM de. DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE NARRATIVA DIGITAL. CIET:EnPED. 2018;

Salci MA, Maceno P, Rozza SG, da Silva DMGV, Boehs AE, Heidemann ITSB. Educação em saúde e suas perspectivas teóricas: Algumas reflexões. Texto e Context Enferm. 2013;22(1):224–30.

Sousa LB De, Torres CA, Pinheiro PN da C, Pinheiro AKB. Práticas de educação em saúde no Brasil: A atuação da enfermagem. Rev Enferm. 2010;18(1):55–60.

Publicado
2021-08-18