PODER DA VOZ EM MEDEIA

Autores

  • Tércia Montenegro Lemos Universidade Federal do Ceará

Resumo

Este artigo se debruça sobre a peça teatral Medeia, de Eurípides, vista em diálogo com algumas de suas retextualizações forjadas ao longo dos tempos, incluindo-se em nosso corpus de análise a obra Medée, do dramaturgo francês Jean Anouilh, e Gota d’água, peça brasileira criada por Chico Buarque e Paulo Pontes. Partindo do trabalho de Romilly (1975), buscamos demonstrar como tragédia e retórica são interdependentes na composição das citadas obras, sobretudo pela carga dramática das falas das personagens. Para tanto, estabelecemos um diálogo entre a retórica antiga e o moderno conceito de etos, tal como a Análise do discurso de linha francesa o entende. A categoria do etos contribui de modo importante para estabelecer fronteiras entre as variantes literárias do mito e possibilita reflexões sobre os procedimentos de intertextualidade adotados. Após as análises, observamos como o investimento da enunciação se expõe através do poder da voz nas versões de Medeia, criando um poderoso efeito psicológico para compor o perfil da protagonista.Palavras-chave: Tragédia; Retórica; Análise do discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Universidade Federal do Ceará.

Downloads

Como Citar

LEMOS, Tércia Montenegro. PODER DA VOZ EM MEDEIA. Revista de Letras, [S. l.], v. 1, n. 31, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/1089. Acesso em: 22 fev. 2024.