A BIOGRAFIA COLETIVA FICTÍCIA DE VIVA O POVO BRASILEIRO

Autores

  • Valéria Regina da Costa Geremia

Resumo

Os avanços e retrocessos na ordem cronológica dos episódios narrados em Viva o povo brasileiro possibilitam a constatação da prevalência do tempo subjetivo sobre o objetivo na obra. Esse artigo procura, em particular, associar a estrutura da memória – na qual passado, presente e futuro mesclam-se de maneira dinâmica - ao romance de João Ubaldo Ribeiro, denominando-o como uma biografia coletiva fictícia. Valorizando a subjetividade de cada ponto de vista, tal ‘biografia’ ressalta a diferença entre o fato concreto e a sua narração (histórica ou fictícia), além de nos permitir atribuir a suas personagens o papel de ‘autores fictícios’. Entre elas, Patrício Macário identifica-se especialmente com João Ubaldo, assumindo importância vital para a metaficção desenvolvida. Ele é o último guardião da canastra que porta a memória do povo e, ao mesmo tempo, projeta sua identidade – funções exercidas também por Viva o povo brasileiro e, de maneira mais ampla, pela literatura em geral.

Palavras-chave: biografia coletiva fictícia, tempo subjetivo, metaficção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

GEREMIA, Valéria Regina da Costa. A BIOGRAFIA COLETIVA FICTÍCIA DE VIVA O POVO BRASILEIRO. Revista de Letras, [S. l.], v. 1, n. 23, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/2193. Acesso em: 14 jun. 2024.