CRÔNICA E COTIDIANO: SEUS LUGARES NA CONTEMPORANEIDADE

  • Ana Karla Dubiela

Resumo

A linguagem e o teor singulares da crônica traduzem o sentimento contemporâneo da saga em busca de lucidez e segurança. Do império ao modernismo, a crônica evolui e se assume híbrida. A forma curta, o tom fragmentado e ligeiro encaixam-se no frenesi pós-moderno e o gê- nero se firma como prosa tipicamente brasileira. Em entrevista, Affonso Romano de Sant’Anna, Roberto Braga e Airton Monte acirram debate sobre o gênero e falam daquele que é considerado o maior dos cronistas modernos : Rubem Braga. Palavras-chave: Rubem Braga, crônica, hibridismo.
Como Citar
DUBIELA, A. K. CRÔNICA E COTIDIANO: SEUS LUGARES NA CONTEMPORANEIDADE. Revista de Letras, v. 1, n. 28, 11.