A POLIFONIA BAKHTINIANA E O CONFRONTO DE VOZES EM ZAMA E O RASTRO DO JAGUAR

Autores

  • Rafael Victor Rosa Oliveira
  • Felipe dos Santos Matias

DOI:

https://doi.org/10.36517/revletras.39.2.3

Resumo

O presente artigo tem por objetivo estabelecer um estudo comparativo entre os romances Zama (1956), do escritor argentino Antonio Di Benedetto (1922-1986), e O Rastro do Jaguar (2009), do escritor brasileiro Murilo Carvalho (1948), a partir do pensamento teórico-crítico de Mikhail Bakhtin (1895-1975), analisando a polifonia e a representatividade possibilitada pelas distintas vozes presentes em ambos os textos literários. Procura-se também, a partir de uma ótica dialógica, falar sobre a importância do resgate feito pelas obras selecionadas como corpus em relação aos povos originários, sufocados ao longo do tempo pela literatura canônica ocidental e pela historiografia oficial. Isso oferece uma visão alternativa sobre a participação dos indígenas na construção de identidades nacionais culturalmente distintas. Por fim, abordam-se alguns questionamentos sobre a fragmentação da identidade coletiva no âmbito do continente americano, fruto do embate discursivo, político e ideológico de enunciação entre dois mundos distintos: o universo do colonizador e do colonizado.

Palavras-chave: Polifonia; Zama; O Rastro do Jaguar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

OLIVEIRA, Rafael Victor Rosa; MATIAS, Felipe dos Santos. A POLIFONIA BAKHTINIANA E O CONFRONTO DE VOZES EM ZAMA E O RASTRO DO JAGUAR. Revista de Letras, [S. l.], v. 2, n. 39, 2020. DOI: 10.36517/revletras.39.2.3. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/61527. Acesso em: 17 abr. 2024.