Análise da produção científica sobre Políticas Públicas no Brasil

período de 1980 a 2018

Autores

Palavras-chave:

Comunicação na ciência., Periódicos. Política pública.

Resumo

Introdução: Nos últimos anos nota-se um importante crescimento da produção científica sobre políticas públicas. Enquanto objeto de pesquisa busca-se entender o comportamento e o crescimento dessa produção no Brasil. Objetivo: analisar a produção científica sobre políticas públicas no Brasil para compreender o seu desenvolvimento, no período de 1980 a 2018. Metodologia: trata-se de pesquisa quantitativa e de abordagem descritiva. O corpus formado pelo conjunto de artigos científicos vinculados aos periódicos científicos recuperados na SciELO, coleção Brasil. A estratégia de busca adotada: uso da expressão: (“Políticas Públicas” OR “Política Pública”) nos campos “título”, “palavras-chave” e “resumos”. Para a extração dos dados utilizou-se um scraper em R conhecido por Rscielo. Resultados: a estratégia adotada retornou 1.371 artigos em 156 títulos de periódicos. A partir da análise bibliométrica verificou-se que “Ciência & Saúde Coletiva” foi a revista com mais artigos publicados: 102. Dos periódicos científicos recuperados, 36, 54% pertencem a área Ciências humanas e 21,15% a Ciências da Saúde. Dos artigos, 69,15% foram publicados em autoria múltipla, sendo um bom indicador de colaboração entre autores e instituições. Considerações finais: Em 38 anos o Brasil cresceu em produção científica sobre políticas públicas, com a publicação dos artigos científicos de diferentes áreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Aparecida Anastácio, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em Gestão & Organização do Conhecimento (PPG-GOC) da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2020). Mestre em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET - MG (2013). Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da EAD pela Universidade Federal Fluminense (2016 ) e Especialização em Arquitetura e Organização da Informação em Contextos Digitais pela UFMG (2008). Atuou como gestora em C&T na Fundação João Pinheiro, colaboradora na gestão da Biblioteca Digital do Estado de Minas Gerais. Trabalha no Setor de Referência da biblioteca setorial da Univerdecidade/UFTM. Tem experiência em gestão, uso e organização da informação; implantação de repositório institucional e organização de treinamentos, biblioteca digital, serviços em normalização de trabalhos acadêmicos e elaboração de índices temáticos.

Marlene Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora pela Universidade de Brasília, mestre pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia -RJ e graduada em Biblioteconomia pela FUOM/MG. Atualmente exerce atividades de ensino e pesquisa na Escola de Ciência da Informação- ECI da UFMG como Professor associado II. Ministra aulas na graduação em Biblioteconomia e no Programa de Pós -graduação em Ciência da Informação para turmas de mestrado e doutorado. Orienta bolsistas de iniciação científicas, mestrandos e doutorandos. Líder do Grupo de pesquisa Fundamentos epistemológicos da Ciência da Informação e pesquisadora do Núcleo de pesquisa e tecnologia em Comunicação científica. Pesquisa atualmente os seguintes temas: pesquisa e ensino na Ciência da Informação, seus fundamentos teóricos e interdisciplinaridade. Comunicação científica em temas específicos, produtividade, autores e visibilidade. Estudo de citações.

Referências

ALVARADO, Rubén Urbizagástegui. A Bibliometria: história, legitimação e estrutura. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador : EDUFBA, 2007. p. 185-217.
ALVARENGA, Lídia. A institucionalização da pesquisa educacional no Brasil: estudo bibliométrico dos artigos publicados na Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos: 1944-74. Tese [Doutorado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais / Faculdade de Educação, 1996. 231p. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/FAEC-85SHVE/tese_doutorado_lidia_alvarenga_jul_2013_fim.pdf?sequence=2. Acesso em: 17 jul. 2019.
BARROS, Susane; JAMBEIRO, Othon. Políticas e práticas de comunicação da produção científica da Universidade Federal da Bahia Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 1, n. 1, p. 125-149, 2011. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo;jsessionid=12A827B827FA0CD5FEA3AD833CD19E02.dialnet01?codigo=3746005>. Acesso em: 13 abr. 2019.
BONE, Lindomar Wessler. Politicas públicas, direitos humanos e cidadania. Juris: Revista da Faculdade de Direito, v. 26, p. 189-204, 2016. Disponível em: https://periodicos.furg.br/juris/article/view/6297/4133. Acesso em: 7 out. 2019.
BRASIL, Felipe Gonçalves e CAPELLA, Ana Cláudia Niedhardt. Os estudos das políticas públicas no Brasil: passado, presente e caminhos futuros da pesquisa sobre análise de políticas. Revista Política Hoje, v. 25, n. 1, p. 71-90, 2016.
CHRISTOVÃO, Heloísa Tardin. Da comunicação informal à comunicação formal: identificação da frente de pesquisa através de filtros de qualidade. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p.3-36, 1979.
COSTA, Sely. Abordagens, estratégias e ferramentas para o acesso aberto via periódicos e repositórios institucionais em instituições acadêmicas brasileiras. Liinc em Revista, v.4, n.2, setembro 2008, Rio de Janeiro, p. 218 - 232 . Disponível em: http://www.ibict.br/liinc. Acesso em: 03 ago. 2020.
DYE, Thomas D. Understanding Public Policy. Englewood Cliffs, N.J.: PrenticeHall. 1984.
FERREIRA, Ana Gabriela Clipes. Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. Data Grama Zero - Revista de Ciência da Informação, Brasília, v. 11, n. 3, jun. 2010.
GARVEY, William D. Communication: the essence of science. Oxford: Pergamon, 1979. 332p.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GRUSZYNSKI, Ana Cláudia; GOLIN, Cida. Periódicos científicos: transição dos suportes impresso para o eletrônico e eficácia comunicacional. Revista Electrónica Internacional de Economía Política de las Tecnologías de la Informacíon y la Comunicación. v. 8, n. 2, 2006. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/285. Acesso em: 03 ago. 2020.
GUEDES, Vânia; BORSCHIVER, Suzana. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: CINFORM – ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6., 2005, Salvador. Anais... Salvador: ICI/UFBA, 2005.
HURD, Julie M. The Transformation of Scientific Communication: A Model for 2020. Journal of the American Society for Information Science, v. 51, n. 14, p. 1279 - 1283, 2000. Disponível em: https://asistdl-onlinelibrary-wiley.ez27.periodicos.capes.gov.br/doi/10.1002/1097-4571%282000%299999%3A9999%3C%3A%3AAID-ASI1044%3E3.0.CO%3B2-1. Acesso em: 29 abr. 2020.
MACIAS–CHAPULA, Cesar A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 134-139, 1998.
MEADOWS, Arthur Jack. A Comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999. 268p.
MELO, Marcus A. “Estado, Governo e Políticas Públicas”. In: MICELI, Sergio (Org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995): ciência política. São Paulo: Sumaré/Anpocs; Brasília: CAPES, 1999. v. 3, p. 59-99.
MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 2, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652006000200004. Acesso em: 15 jul. 2018.
MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. A ciência, o sistema de comunicação científica e a literatura científica. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CÉNDON, Beatriz Valadares; KREMER, Jeannete Marguerite (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. p. 21-34. (Aprender).
MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. O periódico científico. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CÉNDON, Beatriz Valadares; KREMER, Jeannete Marguerite (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007. p. 73-96. (Aprender).
PACKER, Abel L.; MENEGHINI, Rogério. O SciELO aos 15 anos: raison d'être, avanços e desafios para o futuro. In: PACKER, Abel L., et al (org.). SciELO: 15 anos de acesso aberto: um estudo analítico sobre Acesso Aberto e comunicação científica. Paris: UNESCO, 2014, 188 p. Disponível em: http://old.scielo.org/local/File/livro.pdf. Acesso em: 03 ago. 2020.
POTTER, Willian Gray. Lotka ‘s law revisited. Library Trends, v. 30, n. 1, p. 21-39, Summer 1981 citado por ALVARADO, Rubén Urbizagástegui. A Bibliometria: história, legitimação e estrutura. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador : EDUFBA, 2007. p. 185-217.
SCIELO Brasil. [2018]. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_home&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 mar 2019.
SCIELO. Modelo de publicação eletrônica para países em desenvolvimento [online]. SciELO, 2019. Disponível em: https://wp.scielo.org/wp-content/uploads/Modelo_SciELO.pdf. Acesso em: 12 dez. 2019.
SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análises, casos práticos. São Paulo: CENGAGE Learning, 2012.
SOUZA, Celina. “Estado de campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n 51,fev. 2003.
SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16. Acesso em: 16 nov. 2018.
STUMPF, Ida Regina Chitto. Passado e futuro das revistas científicas. Ciência da Informação, v. 25, n. 3, 1996.
TROTTMANN, Paula et al. A produção científica em Políticas Públicas no Brasil: descrição e análise de alguns resultados de uma investigação sobre a primeira década dos anos 2000. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCAR, v. 5, n. 2, 2017. Disponível em: <http://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/140/134>. Acesso em: 15 maio 2018.
TROTTMANN, Paula. A produção científica em políticas públicas no Brasil: uma análise sob a ótica de redes sociais. 2012. Dissertação (Mestrado em Modelagem de Sistemas Complexos) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/100/100132/tde-06032013-134836/pt-br.php>. Acesso em: 18 jun. 2018.
VALEIRO, Palmira Moriconi; PINHEIRO, Lena Vania Ribeiro. Da comunicação científica à divulgação. Transinformação, Campinas , v. 20, n. 2, p. 159-169, ago. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tinf/v20n2/04.pdf. Acesso em: 29 abr. 2020.
VANTI, Nadia Aurora P. Da Bibliometria à Webometria:uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, maio/ ago. 2002.
VILAN FILHO, Jayme Leiro; SOUZA, Held Barbosa de; MUELLER, Suzana. Artigos científicos das áreas de informação no Brasil: evolução da produção e da autoria múltipla. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 13, n. 2, p. 2-17.
ZIMAN, John. Conhecimento público. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979.

Downloads

Publicado

2021-08-10

Como Citar

ANASTÁCIO, Leila Aparecida; OLIVEIRA, Marlene. Análise da produção científica sobre Políticas Públicas no Brasil: período de 1980 a 2018. Informação em Pauta, [S. l.], v. 6, n. 00, p. 1–24, 2021. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/60433. Acesso em: 27 maio. 2024.