Representações de violência veiculadas pela mídia: a crise da segurança pública no Espírito Santo.

  • Ana Maria Justo UFES
  • Amanda Lopes Pinto
  • Savana Carvalho Pires

Resumo

Pretende-se identificar as representações sociais de violência emergentes a partir dos acontecimentos decorrentes da Crise de Segurança Pública no Espírito Santo em fevereiro de 2017.  Realizou-se um estudo documental de caráter exploratório e descritivo sobre o conteúdo do jornal impresso local “A Tribuna”, publicado entre 4 e 28 de fevereiro do referido ano.  O material foi submetido a análises lexicográficas com o auxílio do software IRAMUTEQ. A Classificação Hierárquica Descendente realizada dividiu o corpus em dois sub-corpus: “Ações Criminosas” e “Ocorrências e sociedade”. O primeiro originou as classes “Vítima X Bandido”, “Pós crime” e “Cenas do crime”, enquanto o segundo originou as classes “Segurança e vida social”, “Registros e relatos de ocorrências” e “Delegacias e atendimento de ocorrências”. Os resultados da análise das classes apontaram para uma descrição detalhada sobre as cenas dos crimes, suas consequências, assim como uma representação da violência que se organiza em torno da dicotomia entre “pessoas de bem” e “criminosos”. Também se observaram notícias relativas aos desdobramentos administrativos dos crimes, restabelecimento da ordem social e medidas de segurança. As notícias desfavorecem a compreensão da violência como um fenômeno social mais amplo, fortalecendo estereótipos e contribuindo aos fenômenos de exclusão.

Biografia do Autor

Ana Maria Justo, UFES
Professora do Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento da UFES.

Referências

Almeida, L.S. & Santos, M.F.S. (2013). Representações sociais de violência urbana entre policiais civis. Teoria e Prática, 15(2), 76-91.

Aronson, E., Wilson, T. D., & Akert, R. M. (2015). Psicologia social. Rio de Janeiro: LTC Editora S.A

Azevedo, M. A. D. (2003). Concepções sobre criminalidade e modelos de policiamento. Psicologia: ciência e profissão, 23(3), 18-25. DOI: 10.1590/S1414-98932003000300004

Camargo, B. V. & Bousfield, A. B. S. (2011). Teoria das Representações Sociais: uma concepção contextualizada de comunicação. Em: In A. M. O. Almeida; M. F. S. Santos & Z. A. Trindade (Orgs.), Teoria das Representações Sociais: 50 anos (pp.433-456). Brasília: Technopolitik.

Camargo, B. V. (2003) A televisão como vetor de difusão de informações sobre a AIDS. In: M. L. P. Coutinho, A. S. Lima, M. L. Fortunato & F. B. Oliveira (Org.), Representações sociais: Abordagem interdisciplinar (pp. 130-152) João Pessoa: Editora Universitária.

Costa, D. M. F., Coutinho, M. P. L., & de Araújo, L. S. (2011). Cenário cinzento da violência e as múltiplas facetas da família: enfoque psicossocial. Psico, 42(3).

Cruz, S. H., Azevedo, M. R., & Goncalves, H. (2011). Vitimização por violência urbana em uma cidade de médio porte do sul do Brasil. Rev. Bras, v.14, n. 1, p. 15-26, Mar. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000100002.

Dahlberg, L. L. & Krug, E. G. (2002). Violência: um problema global de saúde pública. Em: E. G. Krug, et al. Relatório Mundial sobre violência e saúde (p.1-20). Organização Mundial da Saúde. Disponível em: https://www.opas.org.br/wp content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf acesso em 27/02/2018.

Endo, P. C. (2009). Violências, sistemas violentos e o horizonte testemunhal. Psicologia Ciência e Profissão, 29(1).

Governo do Espírito Santo (2017). Bolhetim de Informações Criminais do Espírito Santo – Maio/2017 01. Sumário Executivo. Instituto Jones dos Santos Neves. Disponível em: http://www.ijsn.es.gov.br/artigos/4867-boletim-de-informacoes-criminais-1-trimestre-de-2017 acesso em 27/02/2018.

Hopenhayn, M. (2002). A cidadania vulnerabilizada na América Latina. Revista Brasileira de Estudos de População, 19(2), 5-18.

Huggins, M. K., Haritos-Fatouros, M., & Zimbardo, P. G. (2006). Operários da Violência: Policiais torturadores e assassinos reconstroem as atrocidades brasileiras. /Brasília, DF: Editora UnB.

Hughes, P. J. A. (2004). Segregação socioespacial e violência na cidade de São Paulo: referências para a formulação de políticas públicas. Perspectiva, 18(4), 93-102. DOI: 0.1590/S0102-88392004000400011

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: Um domínio em expansão (L.Ulup, Trad.). In: D. Jodelet (Org.), As representações sociais (pp.187-203). Rio de Janeiro: Eduerj.

Jodelet, D. (1984). Répresentation Sociale : phénomènes, concept et théorie. In : S. Moscovici (éd.), Psychologie sociale (363-384). Paris, P.U.F.

Junior, S. E. S. F., & Costa, A. C. (2016). Enquadramentos e representações sociais da violência urbana na imprensa da amazônia paraense. Dispositiva, 5(1), 111-127

Kientz, A. (1973). Comunicação de massa: análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Eldorado.

Machado, B. A., & Porto, M. S. G. (2016). Violência e justiça criminal na área metropolitana de Brasília: dinâmicas organizacionais e representações sociais. Tempo Social, 28(3), 217-242. DOI: 10.11606/0103-2070.ts.2016.108746

Mena, F. C., & Vega, J. N. (2006). La inseguridad en la ciudad: Hacia uma comprensión de la producción social del miedo. Eure, XXXII(97), 7-16.

Minayo, M. C. D. S. (2005). Violência: um problema para a saúde dos brasileiros. Em: Brasil. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Em: Série B. Textos Básicos de Saúde Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/impacto_violencia.pdf acesso em 27/02/2018

Moscovici, S. (2012). A psicanálise: sua imagem, seu público. Porto Alegre: Vozes.

Naiff, L.A.M & Naiff, D.G.M. (2005). A favela e seus moradores: culpados ou vítimas? Representações sociais em tempos de violência. Estudos e pesquisas em psicologia, ano 5, n.2, 2° semestre.

Palermo, L. C. (2018). A cobertura da mídia impressa e o enquadramento das favelas cariocas na linguagem da violência urbana. Civitas-Revista de Ciências Sociais, 18(1), 212-236.

Rodrigues, A., Assmar, E.M.L, Jablonski, B. (2013). Psicologia Social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Rouquette, M.-L. (1986). La comunicación de masas. Em: S. Moscovici. Psicología Social II: Pensamiento y vida social; Psicología social y problemas sociales (p. 627 -647), Buenos Aires: Paidós.

Santos, M. A. F. & Ramires, J. C. L. (2009) Percepção espacial da violência e do medo pelos moradores dos bairros Morumbi e Luizote de Freitas em Uberlândia/MG. Soc. nat. (Online), v. 21, n. 1, p. 131-145. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1982-45132009000100009

Santos, M. F.S., Almeida, A. M. O., Mota, V. L & Medeiros, I. (2010). Representação social de adolescentes sobre violência e suas práticas preventivas. Temas em Psicologia, 18(1), 191-203.

Silva, L. A. M. (2004). Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e estado, 19(1), 53-84. DOI: 10.1590/S0102-69922004000100004

Souza, L. (2004). Processos de categorização e identidade: solidariedade, exclusão e violência. Em: L. Souza & Z. A. Trindade (orgs.). Violência e exclusão: convivendo com paradoxos (p.57-74). São Paulo: Casa do Psicólogo

Vala, J. & Castro, P. (2013). Pensamento social e representações sociais. In Vala, J. & Monteiro, M. B. (coord.), Psicologia social (569- 602). Lisboa: Fundação CalousteGulbenkian.

Zimbardo, P. G. (2016). O efeito lúcifer: Como pessoas boas se tornam más. Rio de Janeiro, RJ: Record

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Justo, A. M., Lopes Pinto, A., & Carvalho Pires, S. (2019). Representações de violência veiculadas pela mídia: a crise da segurança pública no Espírito Santo. Revista De Psicologia, 10(2), 71 - 80. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/39857