Risco-espetáculo: novas modalidades do risco na era digital / Risk-spectacle: new modalities of risk in digital era

Resumo

Este artigo tem como finalidade discutir o engendramento do risco-espetáculo enquanto uma nova modalidade de risco e também como vetor de subjetivação na contemporaneidade. Neste sentido, o risco-espetáculo se configura como uma leitura possível acerca de um fenômeno da era digital que tem alcançado enorme popularidade entre o público infanto-juvenil: os desafios do youtube. Muitos desafios se popularizaram ao serem publicados por famosos youtubers, as celebridades da Internet. Como consequência, jovens e crianças passam a reproduzir tais práticas em suas casas. Apesar do caráter lúdico e aparentemente seguro, alguns desafios do youtube implicam em risco à saúde e à vida, sendo enquadrados no rol das brincadeiras perigosas. Estas práticas de risco se desenrolam, na maior parte das vezes, alheias à tutela e à supervisão da família. Isto nos leva a interrogar que modos de governamentalidade operam no ambiente virtual, de forma a gerir condutas que incidem no mundo concreto e que modos de subjetivação estão sendo produzidos a partir destas práticas.

 Palavras-chave: Risco-espetáculo; desafios do Youtube; brincadeiras Perigosas; governamentalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luisa Maria Freire Miranda, Universidade Federal do Ceará

Psicóloga graduada pela Universidade Federal do Ceará, especialista em Neuropsicologia pela Unichristus e estudante do curso de mestrado em Psicologia na linha Sujeito e Cultura na Sociedade Contemporânea pela Universidade Federal do Ceará. E-mail: luisafreire@gmail.com

Luciana Lobo Miranda, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Psicologia pela PUC-RJ, com estágio doutoral no Programa de Ciência da Educação em Paris 8, França; estágio pós-doutoral no Programa de Psicologia Social Crítica e Personalidade pela City University of New York (CUNY), EUA. Professora Associada do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Membro do Laboratório em Psicologia, Subjetividade e Sociedade (LAPSUS).Pesquisadora CNPq. E-mail: lobo.lu@uol.com.br 

Referências

Avery, A. H., Rae, L., Summitt, J. B., & Kahn, S. A. (2016). The fire challenge: a case

report and analysis of self-inflicted flame injury posted on social media. Journal

of Burn Care & Research,37(2), 161-165.

Beck, U. (1992). Risk society: Towards a new modernity.London: Sage.

Brasil (2017). Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil:

TIC Kids Online Brasil. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Recuperado em:

http://www.cgi.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_Kids_2016_livro_

eletronico.pdf.

Bruno, F. (2013). Máquinas de ver, Modos de ser – Vigilância, tecnologia e

subjetividade. Porto Alegre, Sulina.

Candiotto, C. (2012). A governamentalidade em Foucault: da analítica do poder à ética

da subjetivação. O que nos faz pensar, 21(31), 91-108.

Cardoso, I. A. R. (1995). Foucault e a noção de acontecimento. Tempo Social; Rev.

Sociol. USP, S. Paulo, 7(1-2): 53-66.

Cunha, J. (2017). YouTube: A tevê dos seus filhos. Recuperado de

http://claudia.abril.com.br/sua-vida/youtube-como-e-a-tv-que-seus-filhos-

assistem.

Guilheri, J., Andronikof, A., & Yazigi, L. (2017). Brincadeira do desmaio”: uma nova

moda mortal entre crianças e adolescentes. Características psicofisiológicas,

comportamentais e epidemiologia dos ‘jogos de asfixia. Ciência & Saúde

Coletiva, 22, 867-878.

Han, B. (2016). A sociedade da transparência. Rio de Janeiro, Editora Vozes.

Fischer, R. M. B. (2002). O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e

pela) TV. Educação e pesquisa, São Paulo, 28(1, 151-162.

Foucault, M. (1984) O que é o Iluminismo. In: ESCOBAR, Carlos Henrique (org.).

Michel Foucault (1926- 1984) - o Dossier - últimas entrevistas. Rio de Janeiro:

Livraria Taurus Editora.

Foucault, M (2008). Segurança, Território e População. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2010) Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Lévy, P. (1999) Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Luz, M. T. (2001). Risco, perigo e aventura na sociedade da (in) segurança: breve

comentário. Cadernos de Saúde Pública, 17(6), 1289-1291.

https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000600032

Machlis, G. E., & Rosa, E. A. (1990). Desired Risk: Broadening the Social

Amplification of Risk Framework 1. Risk Analysis,10(1), 161-168.

Miranda, L. L. (2015). Educação e Mídia: O que a Psicologia social tem a ver com isso?

In A. F. Lima, D. C. Antunes, & M. A. Calegare (Orgs.), A Psicologia Social e

os atuais desafios ético-políticos no Brasil (pp. 36-50). ABRAPSO.

Ponte, C. (2016). Crescendo entre culturas digitais nas últimas décadas. In N. L. Lima,

M. Stengel, & V. C. Dias (Orgs.), Juventude e virtualidade: diálogos

interdisciplinares (p. 33-45). Belo Horizonte: Editora Artesã.

Romano, H. (2009). Conduites dangereuses et «jeux» dangereux à l'école. La

psychiatrie de l'enfant, 52(1), 247-263.

Sibilia, P. (2008). O show do eu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Spink, M. J. P. (2001). Trópicos do discurso sobre risco: risco-aventura como metáfora

na modernidade tardia. Cadernos de Saúde pública, 17(6), 1277-1311.

Spink, M. J., Menegon, P., Mincoff, V., Bernardes, S., Coêlho, J., & Lapa, A. E. (2007).

The language of risk in psychology: a social constructionist analysis of a

psychological database. Interamerican Journal of Psychology, 41(2), 151-160.

Spink, M. J. (2011). Linguagem e Producão de Sentidos no Cotidiano. Livro eletrônico.

Biblioteca Virtual de Ciências Humanas do Centro Edelstein de Pesquisas

Sociais.

Spink, M. J. P., Benedito, M., & Mello, R. P. (2002). Perigo, Probabilidade e

Oportunidade: A Linguagem dos Riscos na Mídia. Psicologia: Reflexão e

Crítica, 15(1), 151-164.

Spink, M. J. (2012). Aventura, liberdade, desafios, emoção: os tons do apelo ao

consumo do risco-aventura. Política & Trabalho, (37), 45-65.

Stengel, M, & Mineiro, E. (2017). Laços fortes ou Fracos? Os adolescentes e os laços

nas redes sociais. In N. L. Lima, M. Stengel, & V. C. Dias (Orgs.), Juventude e

virtualidade: diálogos interdisciplinares (p. 33-45). Belo Horizonte: Editora

Artesã.

Tomaz, R. (2017). As redes sociais digitais e como campo de pesquisa da infância e o

caso das youtubers mirins. IN BRASIL. Pesquisa sobre o uso da internet por

crianças e adolescentes no Brasil: TIC Kids Online Brasil. São Paulo: Comitê

Gestor da Internet no Brasil. Recuperado de:

http://www.cgi.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_Kids_2016_livro_

eletronico.pdf.

Vaz, P., & Bruno, F. (2003). Types of self-surveillance: From abnormality to individuals

‘at risk’. Surveillance & Society, 1(3), 272–291.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Miranda, L. M. F., & Miranda, L. L. (2020). Risco-espetáculo: novas modalidades do risco na era digital / Risk-spectacle: new modalities of risk in digital era. Revista De Psicologia, 12(1), 141 - 155. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.1.2021.11