O campo da estética social: ambiente e alteridade / The field of social aesthetics: environment and otherness

Palavras-chave: Psicologia e estética, fenomenologia, psicologia social, psicologia das artes, experiência estética

Resumo

Este artigo busca introduzir o campo da estética social, tanto na tradição fenomenológica quanto na pesquisa acadêmica em psicologia. Propõe um breve retorno à história do movimento fenomenológico e aponta a relevância de conceitos como sensibilidade e intersubjetividade. No contexto da fenomenologia contemporânea, particularmente seguindo o pensamento de Merleau-Ponty, o artigo enfoca o conceito de estética em relação ao meio ambiente (Arnold Berleant) e a questão da alteridade (João Frayze-Pereira). A revisão da ideia de estética como teoria da sensibilidade abre o campo da estética cotidiana e o processo de significado das relações interpessoais. Em suma, a contribuição do campo da estética social em psicologia destaca os aspectos participativos da dimensão sensível na vida social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arley Andriolo, Universidade de São Paulo

Professor Associado do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Atual Presidente da Comissão de Cultura e Extensão do IP/USP. Coordenador do Laboratório de Estudos em Psicologia da Arte (IP/USP) e líder do Grupo de Estética Social (USP/CNPq). Orientador do Programa de pós-graduação em Psicologia Social (IP-USP), junto aos temas na subárea Percepção e experiência estética na vida social.

Referências

Andriolo, A. (2011). A pintura é um traço de nossa relação histórica com o mundo. Revista Poiésis, 17, 77-90.

Andriolo, A. (2018). O conhecimento das imagens populares: psicologia social e experiência estética nos construtores e arquiteturas fantásticas. Prometéica: Revista de Filosofia y Ciencias, 17, 30-45.

Andriolo, A. (2020). A imaginação da natureza: indícios de um procedimento fenomenológico na correlação corpo-imagem-ambiente. Revista Portuguesa de Educação Artística, 10(2). (no prelo).

Barata, M. (1973). Relações da crítica de arte com a estética no Brasil. In: Gullar, F. (org.). Arte brasileira hoje (situação e perspectivas) (pp. 133-143). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bayer, R. (1961). Histoire de l’Esthétique. Paris: Armand Colin.

Berleant, A. (1992). The aesthetics of environment. Philadelphia: Temple University Press.

Berleant, A. (2005). Aesthetics and Environment: theme and variation on art and culture. Burlington: Ashgate.

Berleant, A. (2010). Sensibility and Sense: the aesthetic transformation of the human world. Exeter (UK)/Charlottesville (US): Imprint Academic.

Charcosset, J.-P. (1982). La tentation du silence. Esprit, 66, 53-63.

De Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Dufrenne, M. (1953). Phenomenologie de l’experience esthétique. Paris, PUF.

Frayze-Pereira, J. (1994a). A questão da alteridade. Psicologia USP, 5(1), 11-17.

Frayze-Pereira, J. (1994b). A alteridade da arte: estética e psicologia. Psicologia USP, 5(1), 35-60.

Frayze-Pereira, J. (1995). Olho D’Água: arte e loucura em exposição. São Paulo: Escuta.

Frayze-Pereira, J. (2004). A dimensão estética da experiência do outro. Pro-Posições, 15(1), 19-25.

Frayze-Pereira, J. (2006). Arte, Dor: inquietudes entre estética e psicanálise. São Paulo: Ateliê Editorial.

Geiger, M. (1958). Problemática da estética e a estética fenomenológica. Trad. N. Araújo. Salvador: Livraria Progresso.

Heidegger, M. (1986). A origem da obra de arte. Kriterion, 27(76), 185-210.

Husserl, E. (1957). Qu’est la phénoménologie. In: Huisman, D.; Weber, A. Histoire de la Philosophie Européenne: tableau de philosophie contemporaine (pp. 343-352). Paris: Librairie Fischbacker. (edição original 1927)

Lyotard, J.-F. (1986). A Fenomenologia. Lisboa: Edições 70.

Mandoki, K. (2007). Everyday Aesthetics: prosaic, the play of culture and social identities. Hampshire: Ashgate.

Marcuse, H. (1977). A dimensão estética. São Paulo: Martins Fontes.

Merleau-Ponty, M. (2002). La structure du comportement. 2 ed. Paris: PUF/Quadrilage. (edição original 1942)

Merleau-Ponty, M. (1999). A fenomenologia da percepção. Trad. C. A. R. Moura. São Paulo: Martins Fontes. (edição original 1945)

Merleau-Ponty, M. (1966). Le doute de Cézanne. In: Sens et non-sens (pp. 15-44). Paris: Nagel. (edição original 1945)

Merleau-Ponty, M. (1989). O metafísico no homem. In: Merleau-Ponty, M. Textos selecionados (pp. 127-140). São Paulo: Nova Cultural. (edição original 1947)

Merleau-Ponty, M. (1989). A linguagem indireta e as vozes do silêncio. In: Merleau-Ponty, M. Textos selecionados (pp. 89-123). São Paulo: Nova Cultural. (edição original 1952)

Merleau-Ponty, M. (1990). Merleau-Ponty na Sorbonne: resumo de cursos: 1949-1952. Campinas: Papirus.

Merleau-Ponty, M. (1964). L’oeil et l’esprit. Paris: Gallimard.

Miyahara, K. (2014). Exploring social aesthetics: Aesthetic appreciation as a method for qualitative sociology and social research.International Journal of Japanese Sociology, 23(1), 63-79.

Moreira, D. (2002). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Rancière, J. (2009). A partilha do sensível. 2 ed. São Paulo: Editora 34.

Tatarkiewicz, W. (1992). Historia de seis ideas. 3 ed. Madrid: Tecnos.

Tobias, J. (1967). História das idéias estéticas no Brasil. São Paulo: Grifalbo.

Weber, J.-P. (1972). La psychologie de l’art. Paris: PUF.

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Andriolo, A. (2021). O campo da estética social: ambiente e alteridade / The field of social aesthetics: environment and otherness. Revista De Psicologia, 12(2), 105 - 118. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.2.2021.7