FÁBULAS FABULOSAS: DENÚNCIA, HISTÓRIA E MEMÓRIA

  • Maria Angélica de Oliveira UFPB/UFCG
  • Ivone Tavares de Lucena UFPB

Resumo

“Pelas mãos” do sujeito-autor Millôr Fernandes, as fábulas clássicas transitam por outros gêneros, são parodiadas, carnavalizadas, postas às avessas, transfigurando-se em fábulas fabulosas, um “outro gênero” em que a ironia, a sátira e a paródia fazem sítio. Estas estratégias irreverentes do dizer abrigam, nesses enunciados, um universo de vozes sociais que só se deixam entrever no diálogo com as condições de produção, com o contexto sócio-histó- rico-ideológico. Com o auxílio dos pressupostos teóricos da Análise de Discurso de linha francesa, procuramos identificar nessas fábulas fabulosas cicatrizes denunciadoras de sua identidade de pequenos repositórios de sabedoria que transitam entre a moral e a denúncia, entre as técnicas de si e as estratégias de resistência. Nossa pesquisa visa, ainda, evidenciar, nessas irreverentes e satíricas historietas, jogos de verdade, que materializados a cada novo acontecimento, na atualização da memória discursiva, domínios do intradiscurso, transformam-nas em argutas denúncias da história brasileira, conduzindo-as, pois, do gênero fá- bula fabulosa ao gênero monumento histórico. Palavras-chave: memória, técnicas de si, estratégias de resistência
Como Citar
OLIVEIRA, M. A. DE; LUCENA, I. T. DE. FÁBULAS FABULOSAS: DENÚNCIA, HISTÓRIA E MEMÓRIA. Revista de Letras, v. 1, n. 28, 11.