DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA TRADUÇÃO DO POEMA THE TEMPLE OF NATURE, DE ERASMUS DARWIN

Autores

  • Gabriel de Masi Universidade de São Paulo
  • Eduardo de Almeida Navarro Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.36517/revletras.42.1.4

Resumo

Erasmus Darwin (1731-1802), avô de Charles Darwin (1809-1882), foi médico, naturalista, engenheiro, filósofo e poeta, tendo gozado de grande prestígio nos círculos intelectuais britânicos da segunda metade do séc. XVIII. Escreveu dois grandes poemas, The Botanic Garden (1789) e The Temple of Nature (1803), nos quais expunha ideias científicas ousadas e originais, incluindo uma teoria a respeito da origem da vida e da transformação das espécies que encontrará ecos no pensamento do neto. Amálgama de ciência e literatura, sua poesia constitui-se importante representante da mentalidade iluminista que caracterizou esse período da Europa ocidental. A tradução de sua poesia descobre uma série de desafios: no plano formal, impõe-se a questão, já muitas vezes debatida, da possibilidade de recriação do pentâmetro iâmbico. No campo lexical, a dificuldade reside no extenso vocabulário técnico de Erasmus – terminologia botânica, médica, geológica, etc. Apresentando um excerto do Canto II, procuramos discutir problemas e soluções encontrados ao longo da tradução de seu poema The Temple of Nature, bem como comentar a variedade de ideias nele apresentadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-08-22

Como Citar

DE MASI, Gabriel; DE ALMEIDA NAVARRO, Eduardo. DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA TRADUÇÃO DO POEMA THE TEMPLE OF NATURE, DE ERASMUS DARWIN. Revista de Letras, [S. l.], v. 1, n. 42, 2023. DOI: 10.36517/revletras.42.1.4. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/85146. Acesso em: 20 fev. 2024.