A Construção de uma gestão escolar com características emancipatórias, autônomas e participativas em escolas estaduais em Fortaleza-Ce.

Autores

  • Roberto Carlos de Sousa Gondim Junior Colégio Juvenal de Carvalho da Rede Salesiana.
  • Francisca de Fátima Araújo Oliveira Programa de pós-graduação em educação da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (POSEDUC/UERN))

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i25.62696

Palavras-chave:

Gestão Escolar, Autonomia, Emancipação, Participação.

Resumo

Este artigo é parte de uma dissertação concluída em 2020, em programa de pós-graduação em educação, por entendermos como pertinente para o debate da política educacional vigente a divulgação de análises e reflexões que desenvolvemos sobre emancipação norteada pela perspectiva adorniana relacionando-a com a possibilidade de construção de uma gestão escolar, com características emancipatórias, autônomas e participativas em escolas públicas estaduais de Fortaleza-Ce. Assim, trazemos discussões considerando as múltiplas influências político-econômicas, socioculturais, históricas e ideológicas burguesas, subjacentes aos pressupostos que configuram as diretrizes que atualmente regulamentam o conjunto de políticas educacionais brasileiras com foco na gestão escolar. Nesse contexto, buscamos destacar as impressões dos sujeitos almejando identificar a concepção dos membros da equipe gestora sobre a emancipação, autonomia e participação. A metodologia aplicada nesse trabalho combina procedimentos bibliográficos e a abordagem qualitativa por meio de entrevista semiestruturada. Obtivemos como resultados as convicções e ações pessoais e profissionais dos sujeitos que estão direta ou indiretamente relacionadas com o aproveitamento de espaços legalmente estabelecidos na legislação vigente, os quais favorecem a gestão escolar democrática, para agirem com determinada autonomia e emancipação, mobilizando a comunidade escolar para contornar limites e superar desafios. Assim sendo, ressaltamos que não obstante as dificuldades, os sujeitos se colocam em uma postura de luta e resistência, o que contribui, significativamente, para a construção de uma gestão escolar com características emancipatórias, autônomas e participativas.       

Biografia do Autor

Roberto Carlos de Sousa Gondim Junior, Colégio Juvenal de Carvalho da Rede Salesiana.

Possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2013). Especialização em gestão e coordenação escolar pela Faculdade do Vale do Jaguaribe - FVJ (2018) Mestrado em Educação (gestão e política educacional) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2018-2020) Foi professor de filosofia e sociologia do Instituto Waldemar Falcão (Salesianas). Tem experiência na área de Educação e Filosofia, com ênfase em Gestão e Política Educacional e História da Filosofia. Atualmente atua como supervisor educacional em Fortaleza-Ce no Colégio Juvenal de Carvalho da rede salesiana no Brasil.

Francisca de Fátima Araújo Oliveira, Programa de pós-graduação em educação da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (POSEDUC/UERN))

Possui graduação em História pelo Instituto de Ciências Humanas de Mossoró (1981), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (2001) e doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2010). Professor adjunto da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Ciências Humanas, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão escolar, autonomia, participação, projeto político-pedagógico e democracia. Diretora pro tempore da Faculdade de Educação da UERN de 27/03/2018 a 18/05/2018, Chefe de Departamento de Educação de 19/07/2019 a 27/07/2019, Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Estado, Educação e Sociedade - FE/UERN, Coordenadora do Projeto de Pesquisa A participação dos segmentos nos conselhos escolares a partir da implantação do Projeto Político Pedagógico nas escolas do Sistema Municipal de Educação de Mossoró-RN. Membro Titular e Coordenadora do Fórum Municipal de Educação de Mossoró-RN de 2016 a 2019 e Vice-Presidente do Conselho Municipal de Educação de Mossoró-RN.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Tradução: Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro, 3ª edição, Editora: Paz e Terra, 1995a.

______, HORKHEIMER. Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro. J. Zahar, 1985.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Emendas Constitucionais de Revisão. 05/10/1988. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htAcesso em: 03 jun. 2018

______. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 20/12/1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm Acesso em: 03 jun. 2019.

______. Lei N° 13.005/2014. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014 Acesso em: 03 jun. 2019.

CAMARA, Luciana Dorella. A Educação na Constituição Federal de 1988 como um Direito Social. Direito em Debate – Revista do Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais da Unijuí Ano XXII nº 40, jul.-dez. 2013 – ISSN 2176-6622.

CEARÁ. LEI N.º 16.025, DE 30.05.16 (D.O. 01.06.16) Plano Estadual De Educação do Estado do Ceará. (2016/2024). Disponível em: betl.al.ce.gov.br Acesso em 14/03/2020
LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MIRA, Marilia Marques; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Tecnicismo, neotecnicismo e as práticas pedagógicas no cotidiano escolar. Disponível in:http://www.marcelo.sabbatini.com/wpcontent/uploads/downloads/neotecnicismo.pdf Acesso em: 12 Nov. 2018
MIRANDA, Marília Gouvea de. Novo paradigma de conhecimento e políticas educacionais na América Latina. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n. 100, p. 37-48, mar. 1997.
OLIVEIRA, Francisca de Fátima Araújo de. A reforma do ensino fundamental: o que mudou na escola? Um estudo sobre a implantação de políticas educacionais em Mossoró, RN (1996/2008) Tese apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de Doutora em Educação: História, Política, Sociedade, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sob a orientação do Prof. Dr. José Geraldo Silveira Bueno. São Paulo-SP. 2010

SAVIANI, Demerval. Sistema Nacional de Educação e Plano Nacional de Educação: significado, controvérsias e perspectivas, Campinas, Autores Associados, 2018

SCHULTZ, T. W.. O Capital Humano: investimentos em educação e pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

TRAGTENBERG, M. A escola como organização complexa. Revista Espaço Acadêmico, 2(12). 2002. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/40393/21065. Acesso em 02/10/2019

YNAGUITA, Adriana Inácio. As Políticas Educacionais no Brasil nos anos 1990. Faculdade de Filosofia e Ciências – Universidade Estadual Paulista. Disponívelin:https://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0004.pdf.Acesso em 01/10/2019

Downloads

Publicado

2021-04-27

Como Citar

GONDIM JUNIOR, Roberto Carlos de Sousa; OLIVEIRA, Francisca de Fátima Araújo. A Construção de uma gestão escolar com características emancipatórias, autônomas e participativas em escolas estaduais em Fortaleza-Ce. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 25, p. 157–180, 2021. DOI: 10.29148/labor.v1i25.62696. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/62696. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

<< < 15 16 17 18 19 20 21 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.