FLEXIBILIZAÇÃO E INTENSIFICAÇÃO LABORAL: MANIFESTAÇÕES DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O TRABALHADOR

Autores

  • Camila Alves Lima
  • Edgla Maria Costa Barros
  • Cássio Adriano Braz de Aquino

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i7.6708

Resumo

Os termos flexibilização e intensificação laboral tem sido abordados, muitas vezes, como equivalentes à precarização. Percebemos esses conceitos como distintos e consideramos que a intensificação e a flexibilização se configuram como consequências de um processo generalizado de vulnerabilização das condições de trabalho, característico das últimas décadas. Partindo de tais pressupostos, o objetivo deste artigo é apresentar a flexibilização e a intensificação, marcas do atual cenário laboral, como manifestações do processo de precarização do trabalho. Para atingir esse propósito, teceremos considerações e reflexões históricas sobre o surgimento dos fenômenos em questão, sobretudo, a partir dos processos de reestruturação produtiva da década de 1970. Partiremos de um breve resgate histórico, que possibilite compreender o momento atual, e posteriormente traremos concepções antagônicas do termo flexibilização. Por fim, apresentaremos tal processo como uma oportunidade para intensificação do trabalho e os consequentes danos que acarreta ao trabalhador.

Biografia do Autor

Camila Alves Lima

Mestranda em Psicologia pela UFC.

Edgla Maria Costa Barros

Mestranda em Psicologia pela UFC.

Cássio Adriano Braz de Aquino

Doutor em Psicologia pela Universidad Complutense de Madrid e Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC.

Downloads

Publicado

2017-03-25

Como Citar

LIMA, Camila Alves; BARROS, Edgla Maria Costa; AQUINO, Cássio Adriano Braz de. FLEXIBILIZAÇÃO E INTENSIFICAÇÃO LABORAL: MANIFESTAÇÕES DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O TRABALHADOR. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 7, p. 102–125, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i7.6708. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/6708. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)