Trajetórias de Vida do Lixo: a interface entre meio ambiente, pobreza e empoderamento no município de Santa Maria-RS, Brasil

  • João Vicente Costa Lima Universidade Federal de Alagoas
  • Isabel Padoin Centro Universitário Franciscano (UNIFRA/RS)
Palavras-chave: Meio Ambiente, Pobreza, Capital Social, Degradação Ambiental

Resumo

O presente artigo analisa as trajetórias de vida dos indivíduos cuja subsistência dependia do antigo depósito de lixo da cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, formado por redes de sociabilidade que articulavam elementos de significado formadores de uma racionalidade cotidiana, que valorava o agir econômico nos termos de uma “cultura do lixo” e de suas conexões com a vida político-comunitária. Perscruta-se sobre a preservação da vida humana e do meio ambiente em espaços degradados, dos níveis de composição entre uma realidade (humana) e outra (meio ambiente), abordados no contexto institucional como realidades estanques. Apesar da recente diminuição das desigualdades no Brasil, os ex-catadores do Lixão da Caturrita ainda carregam consigo os traços do estigma e da exclusão sociais, e pouco racionalizam a temática da conservação do meio ambiente.

Biografia do Autor

João Vicente Costa Lima, Universidade Federal de Alagoas

Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas. Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará.

Isabel Padoin, Centro Universitário Franciscano (UNIFRA/RS)
Professora de Sociologia do Centro Universitário Franciscano, Rio Grande do Sul (UNIFRA/RS). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo et al(2008), Situações periféricas. Etnografia comparada de pobrezas urbanas. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 82, 2008, p.109-130.

BAQUERO, Marcello. Cultura política e democracia: os desafios das sociedades contemporâneas. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 1994.

BAQUERO, Marcello et al(org.). A construção da democracia na América Latina: estabilidade democrática, processos eleitorais e cultura política. Porto Alegre/Canoas: Editora da UFRGS / Centro Educacional La Salle de Ensino Superior, 1998.

BAQUERO, Marcello et al. Capital social: teoria e prática. Ijuí-RS: Editora da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), 2006.

BAQUERO, Rute V. A. Empoderamento: questões conceituais e metodológicas. RevistaDebates, Porto Alegre, n. 1, 2005, p. 69-84.

BAUMAN, Zygmunt. Liquid modernity. Cambridge: Polity Press, 2000.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CARVALHO, Anésio R.; Oliveira, Mariá V. C. Princípios básicos do saneamento do meio. São Paulo: Editora SENAC, 2003.

COSTA, Márcia da Silva (2010), Trabalho informal: um problema estrutural básico no entendimento das desigualdades na sociedade brasileira. Caderno CRH, 23, p. 171-190.

DEMO, Pedro. Participação é conquista. São Paulo: Cortez, 1993a.

DEMO, Pedro. Pobreza da pobreza. Petrópolis-RJ: Vozes, 2003b.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000.

GIDDENS, Anthony et al. Modernização reflexiva. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista (UNESP), 1997.

GUERRA, A. J. T; Cunha, S. B. Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

LEONARD, H. Jeffrey. Meio ambiente e pobreza: estratégias de desen-volvimento para uma agenda comum. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

MARQUES, Eduardo César Leão (2009). As dedes sociais importam para a pobreza urbana? DADOS – revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 52, p. 471-505.

NEDER, Ricardo T. O problema da regulação pública ambiental no Brasil: três casos. In: FERREIRA, Leila da Costa; VIOLA, Eduardo (orgs.), Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas-SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 1996.

PASE, Hemerson Luiz. Capital social e empoderamento. Anais do II Seminário Nacional dos movimentos sociais, participação e democracia. Disponível em http://www.sociologia.ufsc.br/npms/hemerson_luiz_pase.pdf. Acesso em: 20.10.2009.

PLASENCIA, Janett Ramírez. Cidadania em ação. Rio de Janeiro: DP & A, 2001.

PREVE, Ana Maria; CORRÊA, Guilherme. Ambientes da ecologia: perspectivas em política e educação. Santa Maria-RS: Editora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), 2007.

PUTNAM, Robert. D. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2002.

RENNÓ, Lúcio. Confiança interpessoal e comportamento político: mi-crofundamentos da teoria do capital social na América Latina. Opinião Pública, 7(1), 33-59, 2001.

SCHWARTZMAN, Simon. As causas da pobreza. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2007.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SORJ, Bernardo. A democracia inesperada: cidadania, direitos humanos e desigualdade social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

Desigualdade da renda no território brasileiro. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Rio de Janeiro. Disponível em http://desafios2.ipea.gov.br/003/00301009.jsp?ttCD_CHAVE=14328. Acesso em 01 de fevereiro de 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011a), Indicadores sociais municipais: uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: Estudos e pesquisas: informação demográfica e socioeconômica, 28.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011b), Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: Estudos e pesquisas: informação demográfica e socioeconômica.

POWER, Timothy J.; Gonzalez, Júlio. Cultura política, capital social e percepções sobre corrupção: uma investigação quantitativa em nível mundial. Revista Sociologia Política, 21, p. 51-69, 2003.

Publicado
2016-01-21