(Des)continuidades na política de um currículo nacional

a Sociologia nos arranjos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Brasil

Palavras-chave: Currículo, Políticas Curriculares, BNCC, Sociologia, Ensino de Sociologia

Resumo

O artigo analisa as políticas curriculares no Brasil no contexto de produção da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e suas implicações sobre os componentes disciplinares considerados não obrigatórios e não prioritários, após a promulgação da Lei da Reforma do Ensino Médio de 2017. Tomando por base a disciplina Sociologia, foi possível constatar descontinuidades no processo de elaboração do documento oficial e alterações nos sentidos dados à etapa do Ensino Médio e ao ensino de Sociologia a partir da ascensão de segmentos políticos que defendem uma agenda liberal. A constatação se deu a partir da análise crítica, ora tomando como referência a forma, ora os conteúdos, das diretrizes apresentadas nas três versões curriculares da BNCC, dos pareceres de especialistas e das conexões com as dimensões política, econômica e educacional.

Biografia do Autor

Francisco Willams Ribeiro Lopes, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Sociologia. Professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará (UFC). Pesquisador do Laboratório de Estudos em Política, Educação e Cultura (Lepec/UFC).

Publicado
2020-08-11