A contemporaneidade do Velho Institucionalismo Econômico de Thorstein Bunde Veblen

Palavras-chave: Veblen, instituições, Institucionalismo Econômico, Teoria da Classe Ociosa, sociedade contemporânea

Resumo

Este artigo imerge no pensamento de Thorstein Veblen, inaugural do Institucionalismo Econômico. No seu programa de pesquisa evolucionário, elaborado durante o capitalismo industrial, o estágio final foi a sociedade de seu tempo, conformando-se como objeto de validação da sua teoria. Parte daí o problema da presente pesquisa: verificar a aplicabilidade do Institucionalismo Econômico de Veblen à sociedade contemporânea, pós-industrial e marcada pela dominância do capital financeiro global. Resgatou-se suas principais obras a partir de uma pesquisa exploratória, identificando as teorias potencialmente pertinentes a esta análise. Utilizando-se os métodos bibliográfico e documental, identificou-se traços evidentes da sociedade contemporânea convergentes às suas teorias, comprovando a sua atemporalidade, mantendo-se um referencial essencial às ciências sociais.

Biografia do Autor

Elson Cedro Mira, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Professor Titular do Departamento de Economia, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) 

Referências

AMARAL, Rogerio do. Exposição da vida privada em redes sociais: motivações e consequências. Encontro Nacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 2015. Disponível em www.unoeste.br, consultado em 03 jun. 2021.

BELL, Daniell. O advento da sociedade pós-industrial. Uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix, 1973.

BRUE, Stanley. História o Pensamento Econômico. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

BOERE, Natália; LIMA, Ludmilla de. Placa em banheiro do Country Club informa que babás não podem entrar. O Globo, Rio de Janeiro, 25 de maio de 2016. Disponível em oglobo.globo.com, consultado em 06 jun. 2021.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio. — (A era da informação: economia, sociedade e cultura; v. 1) São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Assistentes Sociais no Brasil: elementos para o estudo do perfil profissional. Brasília: CFESS, 2005. Disponível em www.cfess.org.br. Consultado em 20 maio 2021.

COASE, Ronald Harry. The Problem of Social Cost. The Journal of Law and Economics. v. 3, out. 1960, p. 1-44.

COASE, Ronald Harry. Notas sobre o problema do custo social. In.: COASE, Ronald Harry. A firma, o mercado e o direito. Tradução de Heloisa Gonçalves Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017.

COELHO, Edmundo Campos. As Profissões Imperiais: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro. 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

COLLINS, John F. Revolt of the saints: memory and redemption in the twilight of Brazilian racial democracy. Londres: Duke University Press, 2015.

DAVIS, Mike. City of quartz: Excavating the Future in Los Angeles. New York: Verso, (1990) 2006.

DIEESE. Política de valorização do Salário Mínimo: aplicação da MP 421 em 1º de março. Nota técnica. Número 62. Março de 2008. Disponível em www.dieese.org.br. Consultado em 30 ago. 2021.

DURKHEIM, David Émile. O suicídio. Estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, (1897) 2000.

DUNNING, Davida; KRUGER, Justin. Unskilled and Unaware of It: How Difficulties in Recognizing One’s Own Incompetence Lead to Inflated Self-Assessments. Journal of Personality and Social Psychology, v. 77, n. 6, 1999.

FALAS DA TERRA: A PRIMEIRA CIRURGIÃ CARDIOVASCULAR INDÍGENA DO BRASIL. [S. l.: s. n.], 2021. 1 vídeo (1 min). Publicado pelo canal TV Globo. Disponível em: www.youtube.com. Consultado em: 03 jun. 2021.

FESTINGER, Leon. A Theory of Cognitive Dissonance. Stanford: Stanford University Press, 1957.

G1 RIO. Professora que ironizou advogado no Facebook é afastada de cargo no Rio. G1 Rio. Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 2014. Disponível em g1.globo.com. Consultado em 06 jun. 2021

GOUSSINSKY, Eugenio. Portugal: imóveis ganham quarto de empregada para agradar brasileiros. R7, São Paulo, 28 de março de 2018. Caderno Internacional. Disponível em noticias.r7.com. Consultado em 03 jun. 2021.

HODGSON, G. M. Economia e instituições. Manifesto por uma economia institucionalista moderna. Oeiras: Celta editora, 1994.

HOFMANN, Ruth; PELAEZ, Victor. A psicologia econômica como resposta ao individualismo metodológico. Revista de Economia Política (Impresso), v. 31, 2011, p. 262-282.

IYENGAR, Sheena Sethi; LEPPER, Mark. When Choice is Demotivating: Can One Desire Too Much of a Good Thing?. Journal of Personality and Social Psychology, v. 79, n. 6, 2000, p. 995-1006.

JEVONS, William Stanley. A teoria da economia política. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda., (1871) 1996.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

MASS, Lucas Wan Der; CHACHAM, Alessandra Sampaio; TOMÁS, Maria Carolina. Profissão e estratificação social. Desigualdades nas trajetórias de médicos e enfermeiros no Brasil atual. Revista Brasileira de Ciências Sociais (online), v. 36, 2021, p. 1-22.

MACHADO, M. H. (Coord.). Perfil da enfermagem no Brasil. Relatório final: Brasil. Rio de Janeiro: NERHUS–DAPS–ENSP/Fiocruz, 2017.

MELO-SILVA, Lucy Leal.; GUARNIERI, Fernanda Vieira. Cotas Universitárias no Brasil: Análise de uma década de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, v. 21, n. 2, 2017.

MILL, John Stuart. Princípios de economia política: com algumas de suas Aplicações à Filosofia Social. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, (1848) 1996.

NAPOLEONI, Claudio. Curso de Economia Política. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1997.

NAPOLEONI, Claudio. Smith, Ricardo, Marx. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

NERI, Marcelo Cortes. A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva, 2011.

NEVES, Paulo; SCHMITZ, Heike; FARO, André. As ações afirmativas na Universidade Federal de Sergipe e o reconhecimento social: a face oculta das avaliações. Ensaio (Rio de Janeiro. Online), v. 24, 2016, p. 127-160.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Economia formal e economia política. Apostila para o curso de economia. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 1970. Disponível em www.bresserpereira.org.br. Consultado em 15 jun. 2021 RESENDE, A.L. Juros, moeda e ortodoxia. São Paulo: Portfolio Penguim, 2017.

RIFKIN, Jeremy. La era del acceso: la revolución de la nueva economía. Barcelona: Paidós, 2000.

RIFKIN, Jeremy. Sociedade com custo marginal zero. Tradução de Monica Rosemberg. São Paulo: M. Brooks do Brasil Editora Ltda., 2016.

ROMER, P. The Trouble With Macroeconomics. Delivered January 5, 2016 as the Commons Memorial Lecture of the Omicron Delta Epsilon Society. Forthcoming in The American Economist. Disponível em paulromer.net, consultado em 15 jun. 2021.

SAY, Jean Baptiste. Traité d’économie politique. Paris: Institut Coppet, (1803) 2011.

SCORALICH, Dayanna da Silva. Política de transferência de renda no governo Lula: faces da nova ofensiva neoliberal. 2011. 99 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) — Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Sociais, História e Filosofia, 2011.

SIQUEIRA, Maria Juracy Toneli; FERREIRA, Edirê. S. Saúde das professoras das séries iniciais: o que o gênero tem a ver com isso? Psicologia Ciência e Profissão. Brasília, v. 23, n. 3, 2003, p. 76-83.

SMITH, Adam. A Teoria Dos Sentimentos Morais. 2 ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, (1759) 2015.

SMITH, Adam. Riqueza das nações: Uma investigação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações. São Paulo: Madras Editora, (1776) 2009.

SOUZA, Amaury de; LAMOUNIER, Bolívar. A classe média brasileira: ambições, valores e projetos de sociedade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

THALER, Richard H.; SUNSTEIN, Cass R. Nudge: Improving Decisions about Health, Wealth, and Happiness. New Haven: Yale University Press, 2008.

TSE. Tribunal Superior Eleitoral. Banco de Dados, disponível em www.tse.jus.br.

VEBLEN, Thorstein Bunde. Why is Economics not an Evolutionary Science. The Quarterly Journal of Economics. Oxford: University Press. Vol. 12, No. 4, 1898a.

VEBLEN, Thorstein Bunde. O instinto para o artesanato e a aversão ao trabalho em geral. Tradução de Daniel Negreiros Conceição. OIKOS. Revista de economia heterodoxa. N. 8, ano VI. Rio de Janeiro: UFRJ, (1898b) 2007.

VEBLEN, Thorstein Bunde. The Preconceptions of Economic Science. The Quarterly Journal of Economics, Vol. 13, No. 4. Oxford: University Press, 1899a.

VEBLEN, Thorstein Bunde. A teoria da classe ociosa. Tradução de Olivia Krähenbühl. São Paulo: Abril Cultural, (1899b) 1983.

WALRAS, Léon. Compêndio dos elementos de economia política pura. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda., (1874) 1996.

Publicado
2022-07-01