A consciência étnica do trabalho docente indígena no Ceará (1988-2018)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i23.44364

Palavras-chave:

Consciência Étnica, Trabalho e Docência.

Resumo

Analisamos a formação da consciência étnica do trabalho docente indígena no Estado do Ceará, no Nordeste brasileiro, entre os anos de 1998-2018. Optou-se como fonte privilegiada, metodologicamente, a história de vida profissional centrada nas vozes das professoras e professores, que, dentre outras coisas, conscientemente reivindicam ao direito ao trabalho docente indígena, ou seja, pela retomada do protagonismo de uma educação escolar com os povos indígenas e não para os povos indígenas. Para o movimento indígena, politicamente, a garantia de uma educação escolar específica, diferenciada e intercultural, passa necessariamente pelo cumprimento da Legislação Escolar Indígena, onde tem-se assegurado que o professor tem que ser indígena. Isso quer dizer que a reivindicação política pelo direito ao trabalho docente indígena, reafirma a compreensão de “que o próprio educador deve ser educado” (MARX, 2002) pelo mundo físico da natureza e social da cultura indígena. A esse respeito, em seu indianismo de inspiração marxista, (MARIÁTEGUI, 2007), ao analisar a questão da educação indígena na América Latina, ainda nas primeiras décadas do século XX, já argumentava contra a alienante educação imposta pelos colonizadores, reivindicando a necessidade de uma educação anticapitalista, contra-hegemônica, autônoma e horizontalmente “promovida pelos próprios índios”, o que necessariamente se articularia com a crítica prática da propriedade privada da terra. Para MARIÁTEGUI (2007), “o problema do índio é o problema da terra”, portanto, uma questão de “educação para além do capital” (MÉSZÁROS, 2008).

Biografia do Autor

Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira-Unilab

Roberto Kennedy Gomes Franco. Professor da UNILAB - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Pós-doutorando em História da Educação pela Universidade de Lisboa. Doutor em Educação Brasileira/UFC; Mestre em Ciências da Educação/UFPI e Graduado em História/UFC.  Coordenador do GIM – Grupo de Investigação Marxista. Membro do GEPI-Grupo de Estudo com os Povos Indígenas. Temas de interesse: História da Educação; História Indígena. Corpo, Saúde e Doença. Memória, Trabalho e Luta de Classes; Crítica da Economia Política. E-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Referências

AIRES, Max Maranhão Piorsky. De aculturados a índios com cultura: estratégias de representação do movimento de professores tapebas em zonas de contato. In: Max Maranhão P. AIRES. (Org.). Políticas interculturais e escolas indígenas no Nordeste brasileiro. Fortaleza: EDUECE, 2009.
ANACÉ, Angélica. Entrevista concedida a Roberto Kennedy Gomes Franco, 2017. ANACÉ, Júnior. Entrevista concedida a Roberto Kennedy Gomes Franco, 2017. BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. – 7. ed. – São Paulo, 1994.
CUNHA, Manuela Carneiro da. Por uma história indígena e do indigenismo. In: Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2012. GRAMSCI, Antônio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 7ª Edição. Editora Civilização brasileira.1989.
HOBSBAWM, Eric. A outra história: algumas reflexões. In: KRANTZ, Frederick (org.). A outra história: ideologia e protesto popular nos séculos XVII a XIX. Tradução: Ruy Jungmany. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características gerais dos indígenas no Censo Demográfico 2010 – resultados do Universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.
KANINDÉ, Ivoneice. Entrevista concedida a FRANCISCO WALLISON BATISTA DE LIMA, 2015.
KANINDÉ, Suzenalson. Mesa-redonda. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, 2017.
LEONTIEV, A.N. (1972) O desenvolvimento do psiquismo. Trad. Manuel D. Duarte. Lisboa: LUKÁCS, György. Ontologia do Ser Social. A Falsa e a Verdadeira Ontologia de Hegel. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Ciências Humanas, 1979b.
LUKÁCS, György. Ontologia do Ser Social. Os Princípios Ontológicos Fundamentais de Marx. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Ciências Humanas, 1979a.
MAGALHÃES, Justino; ESCOLANO, Agustín. Os Professores na História. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação/ Sociedad Española de Historia de la Educación, 1999.
MARIÁTEGUI, José Carlos. Mariátegui sobre educação. São Paulo: Xamã, 2007. MARIÁTEGUI, José Carlos. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.
MARX, Karl. Miséria de la Filosofia. Buenos Aires: Ed. Actualidade, 1927.
MARX, Karl. Manuscritos Econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri, São Paulo: Boitempo: 2004.
MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. Sobre o Sindicalismo. Seleção de Textos de C. Bastien; Tradução do Francês de João Manuel. Pontos de Vista, São Paulo, 1968.
MARX, Karl. A Ideologia Alemã. Karl Marx e Friedrich Engels; [introdução de Jacob Gorender]; tradução Luis Claudio de Castro e Costa. – São Paulo: Martins Fontes, 1998. (Clássicos).
MARX, Karl. Crítica ao programa de Gotha. In: MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa-ômega, 1980.
MARX, Karl. O 18 de Brumário e Cartas a Kugelmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro Primeiro – O Processo de Produção do Capital – Volume I. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. 4ª edição, 1890, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A.
MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Vol. I, Livro I – O processo de produção do Capital. 13 ed. Rio de Janeiro: Bertraud do Brasil, 1989.


MARX, Karl. Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. 3.ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Sociais, 1982.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. São Paulo, SP: Boitempo Editorial, 2007.
MÉSZÁROS, István, A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008. MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição / István Mészarós; tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. 1.ed. revista. São Paulo: Boitempo, 2011.
MUNDURUKU, Daniel. O Caráter Educativo do Movimento Indígena Brasileiro (1970- 1990), São Paulo: Paulinas, 2012.
OLIVEIRA, João Pacheco de. O Nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.
PORTELLI, Alessandro. Forma e significado na história oral. A pesquisa como experimento em igualdade. PROJETO HISTÓRIA, 14, revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, 1997.
POTIGUARA, Rita Elizangela Pereira da Silva. Entrevista concedida a Roberto Kennedy Gomes Franco, 2017.
SAVIANI, Dermeval. O debate teórico e metodológico no campo da História e sua importância para a pesquisa educacional. IN: SAVIANI, Dermeval; LOMBARDI, José Claudinei; SANFELICE, José Luís (orgs). História e História da Educação: o debate teórico- metodológico atual. Campinas: Autores Associados/HISTEDBR, 1998. pp.7-15.
SAVIANI, Dermeval. O debate teórico e metodológico no campo da história e sua importância para a pesquisa educacional. IN: SAVIANI, Dermeval; LOMBARDI, José Claudinei; SANFELICE, José Luís (orgs). História e história da educação: o debate teórico- metodológico atual. Campinas: Autores Associados/HISTEDBR, 1998.
SOUZA, Maria Cecília Cortez Christiano de. A Escola e a memória. Bragança Paulista: IFAN- CDAPH. Editora da Universidade São Francisco/EDUSF, 2000.
STRECK, D; ADAMS, T; MORETTI, C. Pensamento pedagógico em nossa América: uma introdução. In: STRECK, D. (Org.). Fontes da Pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. pp. 19-35.
TAPEBA, João Kennedy. Entrevista concedida a Roberto Kennedy Gomes Franco, 2017. TAPEBA, Weibe. II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena, 2017.
THOMPSON, E. P. Prefácio. In: THOMPSON, E. P. A Formação da Classe Operária Inglesa. Tradução Denise Bottman. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
THOMPSON, E.P. A miséria da teoria, ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
THOMPSON, E.P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.
THOMPSON, Edward. Os românticos: a Inglaterra na era revolucionária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

GOMES FRANCO, Roberto Kennedy. A consciência étnica do trabalho docente indígena no Ceará (1988-2018). Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 23, p. 131–152, 2020. DOI: 10.29148/labor.v1i23.44364. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/44364. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.