Epistemologia é nóiz por nóiz:

práticas feministas contracoloniais na Educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i27.80576

Palavras-chave:

Feminismos subalternos;, Descolonização;, Epistemologias.

Resumo

Este ensaio parte da ideia de que devemos produzir exercícios de contracolonização a fim de que possamos habitar mais confortavelmente nossas práticas de produção de conhecimento dentro da universidade. Partindo da compreensão de que é necessário que o conhecimento se alimente da vida, trabalharemos aqui com o pensamento de Nego Bispo que afirma a importância da produção de saberes que sejam orgânicos em contraponto aos saberes sintéticos, aqueles que são trazidos do exterior, sem que sejam experenciados por quem deles deveria se servir. Nossa proposta é ampliar as gramáticas que definem o que são as epistemologias, descascando a pele deste conceito a fim de contemplar sua porosidade e sua abertura para projetos epistêmicos feministas. Neles, o resgate da memória e de nossas ancestralidades figuram como possibilidades de reencantar nossas pesquisas e denunciar o modo como programas normativos de ciência masculinista e colonial tentam apagar os rastros que deixamos pelo mundo. Finalizamos trazendo as inscrições de uma pesquisa com mulheres-anciãs-bordadeiras, contemplando os bordados que suas palavras desenharam em nossos corpos. Assumindo que o conhecimento é autoconhecimento, caminho inacabado e labuta coletiva, concluímos o texto sentadas nos banquinhos sem encosto das memórias miudinhas plantadas em algum lugar dentro de nós por mulheres-mestras das ensinanças forjadas nas bordas.

Biografia do Autor

Késia dos Anjos Rocha, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Doutoranda em Educação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), vinculada à linha de pesquisa Educação e Diversidade. Mestra em Educação pela UNESP/Marília/SP. Graduada em História pela UNESP/Assis/SP. Atuou durante oito anos no Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Sexualidades (NEPS-Assis/SP.) onde coordenou projetos como o Centro de Referência em Direitos Humanos e combate à homofobia do Sudoeste Paulista. Desenvolve pesquisas na área da Educação com foco nos temas: políticas educacionais, práticas pedagógicas, políticas de escrita e reflexões sobre relações de gênero, sexualidades e raça em interface com dispositivos artísticos e metodológicos como a literatura, artes visuais e a contação de histórias. Teoricamente dialoga com as produções dos estudos queer, feminismos do sul global, feminismos negros e estudos decoloniais. Além disso: feminista; anticolonial; tocadora de tambor, depois de um encontro afetuoso com o maracatu alagoano. Acredito na potencialidade das artes como tecnologias sociais de enfrentamento às diversas opressões e como componente de encantamento com a vida.

Érika Cecília Soares Oliveira, Universidade Federal Fluminense - UFF

Possui graduação em Formação de Psicólogo(a) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997), graduação em Licenciatura Em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997), Especialização em Psicologia pela Universidade de São Paulo (1999), mestrado em Educação Para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista (2001) e doutorado em Psicologia e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista (2013). Membro do GT Territorialidades, violências, políticas e subjetividades (ANPEPP-2018).Professora Adjunta no Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas no período de 2016 a 2020. Atualmente é professora Adjunta do Departamento de Fundamentos Pedagógicos da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Professora Permanente no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFAL. Trabalha na área de Psicologia Social com os seguintes temas: feminismos subalternos e decoloniais, epistemologias do sul, políticas de escrita, gênero e relações étnico-raciais.

Maria Laura Medeiros Bleinroth , Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp-Assis/SP

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp-Assis/SP). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (2019) e Mestrado em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas (2021), na linha de pesquisa Subjetividades, Políticas e Processos Psicossociais. Integrante do Grupo de Estudos em Diversidades e Política (EDIS) e do Grupo de Pesquisa GRIETA. Atuou no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (2019). Desenvolve estudos na área de Psicologia Social com os seguintes temas: envelhecimento, gênero, educação; sabedorias, oralidades, feminismos subalternos e decoloniais.

Referências

ARIAS, Patrício G. Corazonar: una antropologia comprometida com la vida. Quito: Ediciones Abya–Yala, 2010.
ARROYO, Miguel. A educação Básica e o Movimento Social do Campo. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; FERNANDES, Bernardo Mançano. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo, 1999. (Coleção Por uma educação do campo, n. 2).
ARROYO, Miguel. Que Outros sujeitos? Que Outras pedagogias? In: ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 23-61.
BARROS, Daniela; PEQUENO, Saulo; PEDERIVA, Patrícia L. M. Educação pela tradição oral de matriz Africana no Brasil: Ancestralidade, resistência e constituição humana. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 26, n. 91, 2018.
BARROS, Manoel. Livro sobre nada. Rio de Janeiro: Record; 1996.
BLEINROTH, Maria Laura M. Bordadeiras de sabedorias: mulheres idosas e suas pedagogias clandestinas. 2022. 196 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2021.
COLLINS, Patrícia Hill. Epistemologia feminista negra. In: COLLINS, P. H. Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 401-432.
COSTA, S. L.; CARVALHO, J. J. Processos de transmissão: o ensino universitário e o encontro com mestras e mestres dos saberes tradicionais. In: MONTEIRO, Ana Claudia Lima (Org.). Processos psicológicos: perspectivas situadas. Niterói: EDUFF, 2020. p. 26-55.
DOLLIS, Nelly. B. D. Nokê mevi revósho shovima Awe: ‘O que é transformado pelas pontas das nossas mãos’. Campos, v. 19, n. 1, 2018. p. 23-36.
DORNELES, Dandara R. Palavras germinantes - entrevista com Nego Bispo. Identidade, São Leopoldo, v. 26, n. 1 e 2, p. 14-26, jan./dez. 2021. Disponível em: http://revistas.est.edu.br/index.php/Identidade/article/view/1186/1010. Acesso em: 07 abr. 2022.
EMICIDA: amarElo – É tudo pra ontem. Direção: Fred Ouro Preto. Produção: Evandro Fióti. São Paulo, Brasil: Laboratório Fantasma, 2020.
EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.
EVARISTO, Conceição. Sabela. In EVARISTO, Conceição. Histórias de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Malê, 2016, p. 59-84.
FLORES, Valeria. Deslenguada: desbordes de una proletaria del lenguaje. Cidade: Ediciones Ají de Pollo, 2010.
GADOTTI, Moacir. Educação integral e tempo integral. In: Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.
GUIMARÃES, Mariana. O fio como paisagem na mediação casa, corpo e obra. In: Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 2017, Campinas. Anais do 26º Encontro da Anpap. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2017, p. 2511-2524.
hooks, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, 2020.
HADDACK-LOBO, Rafael. Filosofia a golpes de navalha. In: SIMAS, Luiz A.; RUFINO, Luiz; HADDOCK-LOBO, Rafael. Arruaças: uma filosofia popular brasileira. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020. p. 25-29.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
MARTINS, Leda. Performances da oralitura: corpo, lugar da memória. Letras, UFSM, v. 25, p. 63–81. 2003.
MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro, RJ: Cobogó, 2021.
OLIVEIRA, Érika C. S.; BLEINROTH, Maria Laura M.; SILVA, Yasmim M. Desobediências epistêmicas e pesquisas monstruosas em psicologia social. In: CRUZ, L. R.; HILLESHEIM, B.; EICHHERR, L. M. Interrogações às políticas públicas: sobre travessias e tessituras do pesquisar. Florianópolis: ABRAPSO Editora, 2021. p. 13-32.
PADILHA, Paulo Roberto. Prefácio. Educar em todos os cantos. In: GADOTTI, Moacir. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.
PATROCÍNIO, Stela do. Reino dos bichos e dos animais é o meu nome. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001.
RUFINO, Luiz. Vence-demanda: educação e descolonização. Rio de Janeiro, RJ: Mórula, 2021.
SANTOS, Antônio Bispo. Colonização, Quilombos: modos e significações. Brasília: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa, 2015.
SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz. Encantamento: sobre política de vida. Rio de Janeiro, RJ: Mórula Editorial, 2020.
SIMAS, Luiz Antônio. Pedrinhas Miudinhas. Ensaios Sobre Ruas, Aldeias e Terreiros. 2ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Mórula Editorial, 2019.
STRECK, Danilo R. A educação popular e a (re)construção do público. Há fogo sob as brasas? Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio/ago. 2006.

Downloads

Publicado

2022-07-02

Como Citar

ROCHA, Késia dos Anjos; OLIVEIRA, Érika Cecília Soares; BLEINROTH , Maria Laura Medeiros. Epistemologia é nóiz por nóiz: : práticas feministas contracoloniais na Educação. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 27, p. 11–28, 2022. DOI: 10.29148/labor.v1i27.80576. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/80576. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê