Correlação entre Sintomas Osteomusculares e Qualidade de Vida de Professores do Ensino Fundamental

Autores

  • Geyse Chrystine Pereira Souza Fernandes Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás)
  • Rogério José de Almeida Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás)

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i25.60024

Palavras-chave:

professor, qualidade de vida, transtornos traumáticos cumulativos

Resumo

O estudo objetivou analisar a correlação entre os sintomas osteomusculares e a qualidade de vida de professores do ensino fundamental da rede pública municipal de Guanambi, Bahia. Trata-se de estudo transversal analítico em que 52 professores do ensino fundamental participaram. Foram utilizados os instrumentos: Questionário sociodemográfico ocupacional, Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO), Instrumento de avaliação da qualidade de vida – WHOQOL-Bref. O perfil sociodemográfico ocupacional demonstrou predominância do sexo feminino, a maioria com jornada de trabalho de 40 horas semanais e possuindo pós-graduação. Uma grande maioria entendeu que seu trabalho tem risco à saúde e que ainda se cansa com frequência. Houve alta prevalência de sintomas osteomusculares, principalmente em joelho, coluna lombar, ombro e pescoço. Entre os sintomas osteomusculares em correlação ao perfil sociodemográfico ocupacional houve relação significativa entre o afastamento e se sentir cansado no trabalho. No Whoqol-bref a qualidade de vida total, a percepção da qualidade de vida e a satisfação pessoal apresentaram boas médias. A qualidade de vida total e o domínio físico foram afetados em todos os resultados de correlação com os sintomas osteomusculares. Constatou-se que os sintomas osteomusculares afetam diretamente a qualidade de vida dos professores.

Biografia do Autor

Geyse Chrystine Pereira Souza Fernandes, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás)

Licenciada em Pedagogia e em Biologia, Bacharel em Fisioterapia. Especialista em Saúde Coletiva, em Ciências Biológicas e em Metodologia do Ensino Superior; também em Fisioterapia do trabalho e Ergonomia; Mestre em Ciências Ambientais e Saúde; Diretora de Formação do SISPUMUR. Professora horista na área de saúde e educação. Membro do grupo NEPE Paulo Freire - UNEB-XII.

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-2339-8878

Rogério José de Almeida, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás)

Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás, Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás, Doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília e, atualmente, Pós-Doutorando em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás. Professor Adjunto do Curso de Medicina da PUC Goiás e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde - PPGCAS da PUC Goiás. Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa - CEP/PUC Goiás. Professor Adjunto e Coordenador de Pesquisa e Extensão da Faculdade da Política Militar - FPM. Autor do livro Gastroplastia e a Reconstrução da Identidade e organizador do livro Goiás e a (Pós) Modernidade: Dimensões e Reflexões. Tem experiência na área de Sociologia, Antropologia e Metodologias Ativas, com ênfase em Sociologia da Cultura, Sociologia da Medicina, Sociologia da Saúde e do Corpo e Saúde Coletiva, atuando principalmente na linha de pesquisa Sociedade, Ambiente e Saúde e com temas que fazem interseções entre as Ciências Sociais e os processos saúde-doença.

Orocid: https://orcid.org/0000-0002-2150-6057

Referências

ANDRADE, A. N. et al. Saúde na escola: o cuidado com professores. Rev. Ciênc. Ext. v. 10, n. 1, p. 98-107, 2014.

AZEVEDO, E. M. Análise da qualidade de vida e do nível de atividade física dos policiais militares do comando geral da polícia miliar de Mato Grosso para prevenção de doenças. Revista de Administração do Sul do Pará (REASP) - FESAR – v. 3, n. 2, Mai/Ago – 2016.

BARROS, E. N. C.; ALEXANDRE, N. M. C. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. International Council of Nurses, International Nursing Review, 50, 101–108, 2003.

BUENO, C. O trabalho e o homem. 2015. Revista Pré Univesp. Nº. 59, Gênero, 2016. Disponível em: http://pre.univesp.br/o-trabalho-e-o-homem#.V8zRu JgrK01. Acesso em: 03 de Setembro de 2016.

CALIXTO M. F. et al. Prevalência de sintomas osteomusculares e suas relações com o desempenho ocupacional entre professores do ensino médio público. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 23, n. 3, p. 533-542, 2015.

CEZAR-VAZ, M. R. et al. Mental Health of Elementary Schoolteachers in Southern Brazil: Working Conditions and Health Consequences. The Scientific World Journal, 2015.

CORTEZ.P. A. et al. A saúde docente no trabalho: apontamentos a partir da literatura recente. Cad. Saúde Colet., 2017, Rio de Janeiro, 25 (1): 113-122 113

COSTA A. L.; FLAUSINO T. C. Prevalência dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORTs) em maqueiros de um centro de reabilitação na cidade de Goiânia-GO. Revista Eletrônica Saúde e Ciência. v. 5, n. 1, 2015.

DAVOGLIO, T. R.; LETTNIN, C.; BALDISSERA, C. G. Avaliação da qualidade de vida em docentes brasileiros uma revisão sistemática. Pro-posições, v. 3, n. 78, p. 145–166, 2015.

ERICK, P. N. SMITH, D. R. The Prevalence and Risk Factors for Musculoskeletal Disorders among School Teachers in Botswana. Occup Med Health Aff 2: 178. 2014.

FERREIRA, R. C. et al. Transtorno mental e estressores no trabalho entre professores universitários da área de saúde. Trab. Educ. Saúde, v. 13, n. 1, p. 135–155, 2015.

FLECK, Marcelo P.A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev. Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 178-83, 2000

GERHARDT, G. T.; SILVEIRA, T. D. (Orgs). Métodos de pesquisa. Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HOCHMAN, B. et al. Desenhos de pesquisa. Acta Cirúrgica Brasileira - Vol 20 (Supl. 2) 2005.

IBGE. estimativa_ibge_2017.xls. Disponível em: agenciadenoticias.ibge.gov.br. Acesso em 30 de agosto de 2017, 2017 a.

IBGE. Pesquisa nacional de saúde: 2013: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil e grandes regiões / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2014. 182 p.

IBGE. Práticas de esporte e atividade física: 2015 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2017 b.

INEP, Censo escolar da educação básica 2016. Brasília-DF, 2017.

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Texto para discussão 2304 Professores da educação básica no brasil: condições de vida, Inserção no mercado de trabalho e remuneração - Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 2017.

KARAKAYA, I. Ç. Et al. Musculoskeletal problems and quality of life of elementary school teachers. International Journal of Occupational Safety and Ergonomics. Vol. 21, Iss. 3, 2015.

MARINHO, E. F. Estudo das principais queixas álgicas indicativas de DORT em professores de educação especial. Pós-graduação em Ortopedia e Traumatologia com ênfase em Terapia Manual – Faculdade Ávila, 2012.

MARQUES, F. Fatores associados à qualidade de vida de docentes da área da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 40, n. 3, p. 452-460, 2016.

MANGO, M. S. M. et al. Análise dos sintomas osteomusculares de professores do ensino fundamental em Matinhos (PR). Fisioter. Mov. 2012 out/dez; 25(4):785-94

MELO, B. F. et al. Estimativas de lesões por esforço repetitivo/distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho e indicadores de vigilância em saúde do trabalhador: um desafio para os serviços de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública. v.39, n.3, p.570-583 jul./set. 2015.

MESARIA S.; JAISWAL N. Musculoskeletal Disorders among Teachers Residing in various Nations: A Review. Research Journal of Recent Sciences. Vol.4(IVC-2015), 23-27(2015).

MOREIRA, A. S. G. Qualidade de vida dos professores do ensino fundamental de escola da rede pública. (TCC). UEPB. Campina Grande, PB, 2015.


MOREIRA, A. S. G. SANTINO, T. A. TOMAZ, A. F. et al. Qualidade de Vida de Professores do Ensino Fundamental de uma Escola da Rede Pública. Ciencia e Trabajo, v. 55, n. 83, p. 20–25, 2017.

PEREIRA, E. F.; TEIXEIRA, C. S.; LOPES, A. S. Qualidade de vida de professores de educação básica do município de Florianópolis, SC, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(7):1963-1970, 2013.

PINHEIRO, F.A. et al. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública, v. 36, n. 3, p. 307-12, 2002.

PIMENTEL, B N. et al. Percepções do ruído, saúde auditiva e qualidade de vida de professores de escolas públicas. Audiol. Commun. v. 21, p. 1-7, 2016.

ROCHA, R. E. R. et al. Sintomas osteomusculares e estresse em professores. Fisioter Pesqui. 2017;24(3):259-266

WHOQOL Group. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Soc Sci Med 1998; 46:1569-85.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

FERNANDES, Geyse Chrystine Pereira Souza; ALMEIDA, Rogério José de. Correlação entre Sintomas Osteomusculares e Qualidade de Vida de Professores do Ensino Fundamental. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 25, p. 274–296, 2021. DOI: 10.29148/labor.v1i25.60024. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/60024. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.