MEM/PORTUGAL SENTIDOS E SIGNIFICADOS DE UMA (AUTO)FORMAÇÃO COOPERADA ENTRE PROFESSORES

  • Tânia Serra Azul Machado BEZERRA Universidade Estadual do Ceará-UECE
  • Pedro Francisco Gonzalez Universidade do Açoures/Portugal
  • Rui Trindade Universidade do Porto/Portugal
Palavras-chave: Escola, MEM, docência, Inovação

Resumo

Este texto constitui resultado de investigação vivenciada no pós-doutoramento em Ciências da Educação da Universidade do Porto e, intenciona demonstrar, vivências docentes que relacionam as categorias Formação Integral, Aprendizagem Cooperativa, Inovação/Diferenciação Pedagógica e Escola, com amparo em experiências de professores do MEM/Portugal. Objetiva-se debater e analisar, com base nas ações pedagógicas mencionadas, o processo constituidor de uma formação humana que reflete os sujeitos em sua integralidade, autonomia e emancipação. Como também objetiva-se compreender ações e relações pedagógicas cotidianas que configuram uma cultura docente de (re)invenção da escola a partir de contextos de inovação. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa qualitativa pautada em análises dialógicas em que foram associadas fontes orais e escritas, no sentido de movimentar-se do específico ao geral, ou seja, das particularidades do objeto para a compreensão de um todo complexo, que são as categorias Escola e Docência, em vivência de uma proposta de educação que subverte a lógica do instrumentalismo e tecnicismo. Em hipóteses conclusivas, significam contato denso com outra abordagem à instituição escola sob um viés de ruptura com a tendência normativa e positivista. Isto se coloca, finalmente, no sentido de ampliar espaços de debates e aprofundamentos teóricos e práticos acerca do magistério e da Escola como lugar/tempo de ciência/pesquisa e possibilidade de contribuir com a produção de novos sentidos/significados sociais.

Referências

BRUNER, J. (1969) - Uma Nova Teoria de Aprendizagem, Rio de Janeiro, Edições BLOCH.

FOLQUE, Maria Assunção. Reconstruindo a cultura em cooperação mediado pela pedagogia para a infância do Movimento da Escola Moderna portuguesa. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 32, n. 3, p. 951 - 975, set./dez. 2014.

FORMOSINHO, Júlia Oliveira. O Modelo Curricular do M.E.M. – Uma Gramática Pedagógica Para a Participação Guiada. Revista Escola Moderna Nº 18•5ª série•2003.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A Produtividade da Escola Improdutiva: um (re)exame das relações entre Educação e estrutura econômico-social capitalista. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LEFEBVRE, Henri. Lógica Formal, Lógica Dialética. Tradução de Carlos Nélson Coutinho. RJ: Civilização Brasileira, 1995.

NIZA, Sérgio. As Práticas Pedagógicas Contra a Exclusão Escolar no Movimento da Escola Moderna. Revista N.º 30. Escola Moderna Nº 30•5ª Série•2007.

NIZA, Sérgio. Formação Cooperada: ensaio de auto-avaliação dos efeitos da formação no Projecto Amadora. Educa Movimento Da Escola Moderna Portuguesa, Lisboa:1997. Educa. Formação: 4.

NIZA, S. (1996). O Modelo Pré-escolar da Escola Moderna Portuguesa. In Modelos Curriculares para a Educação de Infância. Porto: Porto Editora.

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia, S. Paulo, Ed. Forense: 1970.

THOMPSON, E.P. A miséria da teoria, ou um planetário de erros./Tradução de Maltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TRINDADE, Rui; COSME, Ariana. Educar e aprender na Escola: Questões, perspectivas e respostas pedagógicas. V. N. de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2010.

Publicado
2018-11-07
Como Citar
BEZERRA, T. S. A. M.; GONZALEZ, P. F.; TRINDADE, R. MEM/PORTUGAL SENTIDOS E SIGNIFICADOS DE UMA (AUTO)FORMAÇÃO COOPERADA ENTRE PROFESSORES. Revista Labor, v. 1, n. 19, p. 63-74, 7 nov. 2018.
Seção
Artigos