A A ofensiva do SEBRAE sobre o Ensino Médio

Autores

  • Ramon Mendes da Costa Magalhães Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG
  • Rodrigo de Azevedo Cruz Lamosa Departamento de Educação e Sociedade (DES). Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i25.62709

Palavras-chave:

Empreendedorismo. Educação. Ensino Médio.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar a atuação do SEBRAE e sua influência sobre as instituições educacionais na conjuntura em que esta organização se torna o principal difusor da “educação empreendedora” em todo o território nacional no âmbito do Ensino Médio. Em meio a pandemia do COVID-19 em 2020, o SEBRAE lançou um documento intitulado “Empreendedorismo no currículo escolar do ensino médio”, com vista a se colocar a “disposição” como “parceiro” de instituições públicas e privadas no desenvolvimento do empreendedorismo. A estratégia de pesquisa utilizada foi a análise de conteúdo, por meio do qual foi possível compreender criticamente as formulações presentes no documento produzido pelo SEBRAE. O processo de análise não foi produzido de maneira estática e sequencial, há um movimento constante entre os documentos, as hipóteses e objetivos, para se chegar à sua formulação final. Buscamos ir além do conteúdo apresentado no documento, ir além da aparência, pois, interessa o conteúdo latente, a essência, o sentido e mediações que se encontram por trás da aparência imediata. Concluímos, então, que o documento analisado tem uma intencionalidade explicita de colocar o SEBRAE com o principal “parceiro” para desenvolver o empreendedorismo no ensino médio das instituições educacionais do país, por meio do projeto de “educação empreendedora”, difundindo entre gestores, professores e estudantes uma determinada forma de ser, agir e pensar na sociedade.

Biografia do Autor

Ramon Mendes da Costa Magalhães, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG

Atualmente é Professor de Ensino Superior da Universidade do Estado de Minas Gerais, Campus Carangola/MG, e da rede municipal de educação de Duque de Caxias, e doutorando no Programa de Pós graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGEDUC-UFRRJ).

 

Rodrigo de Azevedo Cruz Lamosa, Departamento de Educação e Sociedade (DES). Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Professor Adjunto do Departamento Educação e Sociedade (DES) e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Mestre e doutor em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES). Bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Líder do grupo de pesquisa Laboratório de Investigação em Estado, Poder e Educação (LIEPE). Membro filiado à International Gramsci Society (IGS) e à Red Latinoamericana y Caribña de Estudos Gramscianos. Coordenador da coluna Tubarões da Educação no portal Esquerda On Line.

Procid: https://orcid.org/0000-0002-7183-9589

Referências

BRASIL. Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1, nº35, 2017a. Disponível em: http://prograd.uesb.br/proreitorias/prograd/wp-content/uploads/lei_da_reforma_do_ensino_medio.pdf Acesso em: 21 de jan. 2021.
BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 3, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2018a. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51281622 Acesso em: 20 jan. 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – BNCC, Ensino Médio. Brasília, 2018b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-comum-curricular-bncc-etapa-ensino-medio Acesso em: 12 de jan. 2021.
CASTRO. Luiger Franco de. “APRENDER A EMPREENDER”: o projeto de educação do SEBRAE para a educação básica pública. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora - MG., 2019. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/10264 Acesso em: 6 jan. 2021.
DIAS, Graziany Penna. Empreendedorismo, educação e sociabilidade: a radicalização do indivíduo como sócio majoritário de si. Tese de Doutorado em Educação Juiz de Fora - MG. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2019.. Disponível em: http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/handle/ufjf/10755 Acesso em: 22 de jan. 2021.
DIAS, Vanessa Tavares. A “miséria” da educação: análise de um manual de “empreendedorismo” do SEBRAE para professores do ensino fundamental. Século XXI, Revista de Ciências Sociais, v.8, no 1, p.379-416, jan./jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/view/35678 Acesso em: 6 jan. 2021.
DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.
DUARTE, Newton. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016 (Coleção educação contemporânea).
GAMBOA, Silvio Ancízar Sanchez. A dialética na pesquisa em educação: elementos de contexto. In: FAZENDA, Ivani (org). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2000. p. 91-116.
GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Volume 3: Maquiavel. Notas sobre o Estado e a Política. 6d. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
MARTINS, André Silva. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2009.
MAGALHÃES, Ramon Mendes da Costa. O processo histórico de construção do currículo mínimo de educação física do estado do Rio de Janeiro: da elaboração à implementação. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora-MG, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/9322/1/ramonmendesdacostamagalhaes.pdf Acesso em: 22 de Fev. 2020.
POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo.1ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.
PREALC. Programa de Reforma Educativa da América Latina e Caribe. PRELAC, uma trajetória para Educação para a Todos. Panorama Socioeducacional: cinco visões sugestivas para a América Latina e Caribe. Revista PRELAC. Santiago: Escritório Regional de Educação da Unesco para a América Latina e Caribe. Ano 1, n. 0, ago. 2004.
SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Empreendedorismo no currículo escolar do ensino médio. Brasília-DF. 2020.
SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Quem Somos. S/d1, online. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/canais_adicionais/conheca_quemsomos . Acesso em 20 de jan. 2021.

Downloads

Publicado

2021-04-27

Como Citar

MAGALHÃES, Ramon Mendes da Costa; LAMOSA, Rodrigo de Azevedo Cruz. A A ofensiva do SEBRAE sobre o Ensino Médio . Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 25, p. 121–142, 2021. DOI: 10.29148/labor.v1i25.62709. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/62709. Acesso em: 17 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.