Educação e Violência:

reflexões sobre homicídios, abandono escolar e vulnerabilidade juvenil em Fortaleza, Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v2i26.72038

Palavras-chave:

Educação. Jovens. Violência. Homicídios. Vulnerabilidades

Resumo

Em meio à penetração de coletivos criminais, as chamadas “facções”, nos bairros populares da capital cearense, neste artigo buscaremos explorar as possíveis conexões entre abandono escolar e experiências de vulnerabilidade aos homicídios de jovens nesses espaços da cidade. As reflexões são traçadas a partir de um estudo bibliográfico intercalado com observações e trechos dos diários de campo dos pesquisadores a partir de suas experiências no Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA). Os dados apresentados demonstram que as principais vítimas de homicídios são jovens na faixa etária de 15 a 29 anos, do sexo masculino, negros e com baixa escolaridade. Observamos que, embora a educação seja um direito social garantido por lei, ela ainda não se efetiva concretamente para todos os sujeitos, de modo que aqueles mais vulneráveis enfrentam uma série de obstáculos, que envolvem desde as dificuldades para conseguir uma vaga na rede escolar até a proibição de frequentar o estabelecimento educacional, devido à localização do mesmo em territórios dominados por “facções rivais”, que os levam muitas vezes ao abandono escolar antes da conclusão da educação básica. Sob essa ótica, a educação tem o potencial de agir como um fator protetivo da vida dos adolescentes, sendo um caminho viável no processo de enfrentamento e prevenção da criminalidade, em particular, os homicídios entre os jovens. 

Biografia do Autor

Clodomir Cordeiro de Matos Júnior, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Professor Adjunto do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Bernardo, MA. Coordenador do Grupo de Pesquisas e Estudos sobre as Cidades (CITADINOS-UFMA). Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (PPGS/USP). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (PPGS/UFC). Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

João Pedro de Santiago Neto, Universidade Federal do Ceará

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2014). Possui graduação em Ciências Socais pela Universidade Federal do Ceará (2011). No ensino superior, lecionou na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Participou de pesquisas sobre: o perfil dos usuários de crack no Brasil; discriminação racial em Fortaleza; população em situação de rua e consumo de álcool, crack e outras drogas; homicídios de crianças e adolescentes no Ceará; jovens envolvidos no mercado de drogas e conflitos armados. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Urbana e dos Conflitos e Sociologia da Saúde, desenvolvendo pesquisas sobre as temáticas da juventude, criminalidade, drogas, saúde e cidades.

Ana Paula Neves Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Sociedade da Universidade Estadual do Ceará (UECE), graduada em Economia Doméstica pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e integrante do Grupo de Pesquisa Violência e Cidadania (GPVC/UFRGS).

Referências

BARREIRA, César. Crimes por Encomenda: violência e pistolagem no cenário brasileiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Núcleo de Antropologia da Política, 1998.
BARROS, J. P. P.; PAIVA, L. F.; RODRIGUES, J. S.; LEONARDO, C. S.; SILVA, D. B. 'Pacificação' nas Periferias: discursos sobre as violências e o cotidiano de juventudes em Fortaleza. Revista de Psicologia da UFC, v. 9, p. 115-126, 2018.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais nº 1ª 6/94, pelas Emendas Constitucionais nº 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo nº 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf?sequence=1>. Acesso em: 05 jan. 2020.
BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/534718/eca_1ed.pdf?sequence=1>. Acesso em: 05 jan. 2020.
CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime e segregação e cidadania. São Paulo: EDUSP, 2000.
CEARÁ. Cada vida importa. Relatório final do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Fortaleza: Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, 2016. Disponível em: <https://cadavidaimporta.com.br/publicacoes/>. Acesso em: 02 dez. 2019.
CERQUEIRA, Daniel. Trajetórias individuais, criminalidade e o papel da educação. Boletim de Análise Político – Institucional. n. 9. Jan. jun. Brasília: IPEA, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7105>. Acesso em: 25 jan. 2020.
CERQUEIRA, Daniel; COELHO, Danilo Santa Cruz. Nota Técnica: redução da idade de imputabilidade penal, educação e criminalidade. n. 15. Rio de janeiro: IPEA, 2015. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/150921_nt_diest_14_imputabilidade_penal.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2019.
CERQUEIRA, Daniel et al. Nota Técnica. Indicadores multidimensionais de educação e homicídios nos territórios focalizados pelo Pacto Nacional pela Redução de Homicídios. n. 18. Brasília: IPEA, 2016. Disponível em: <https://www.justica.gov.br/news/senasp-lanca-estudo-sobre-educacao-e-reducao-de-homicidios/160510_notatecnica_diest_18.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2019.
CERQUEIRA, Daniel; MOURA, Rodrigo Leandro de. O efeito das oportunidades no mercado de trabalho sobre as taxas de homicídios no Brasil. Encontros da ANPEC, 2015. Disponível em: <https://www.anpec.org.br/encontro/2015/submissao/files_I/i12-0ce869e09e6385120c0146e239bb5bf8.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2020.
COELHO, Coelho, Edmundo Campos. A Oficina do Diabo. In: COELHO, Magda Prates (org.). A Oficina do Diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro: Edições Record, 1987.
FREITAS, Geovani Jacó; BRASIL, Glaucíria Mota; ALMEIDA, Rosemary de Oliveira. Morte em fronteiras: jovens “matáveis” nos celeiros da política e da cidade. Configurações [Online], 10/2012. Disponível em: <http://configuracoes.revues.org/1509>. Acesso em: 27 nov. 2016.
GOFFMAN, Erving. Estigma: Nota sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.
LEEDS, Elizabeth. Cocaína e Poderes Paralelos na Periferia Urbana Brasileira: ameaça à democratização em nível local. In: ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos (orgs.). Um Século de Favelas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998. p. 233-276.
LIMA, Renato Sérgio de. Entre palavras e números: violência, democracia e segurança pública no Brasil. São Paulo: Alameda, 2011.
MELO, Doriam Luis Borges de; CANO, Ignácio (orgs.). Índice de Homicídios na Adolescência: IHA 2014. Rio de Janeiro. Observatório de Favelas, 2017.
MISSE, Michel. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro: Editora Lumens Juris, 2006.
PAIVA, Luiz Fábio S. “Aqui não tem gangue, tem facção”: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil. Caderno CRH, Salvador, v. 32, n. 85, p. 165-184, jan./Abr. 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ccrh/v32n85/0103-4979-ccrh-32-85-0165.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2020.
PINHEIRO, Paulo Sérgio. Introdução: o Estado de Direito e os não-privilegiados na América Latina. In: MÉNDEZ, J. E.; O’DONNELL, G.; PINHEIRO, P. S.(orgs.), Democracia, Violência e Injustiça: o não-estado de direito na América Latina. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2000.
SOARES, Sergei Suarez Dillon. Educação: um escudo contra o homicídio? Texto para Discussão. n. 1298. Brasília: IPEA, 2007. Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4859>. Acesso em: 25 jan. 2020.
WAISELFISZ, Julio Jacobo. Educação: blindagem contra a violência homicida? Mapa da Violência. Caderno Temático. n. 1. Recife: FLACSO, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

MATOS JÚNIOR, Clodomir Cordeiro de; SANTIAGO NETO, João Pedro de; LOPES, Ana Paula Neves. Educação e Violência:: reflexões sobre homicídios, abandono escolar e vulnerabilidade juvenil em Fortaleza, Ceará . Revista Labor, [S. l.], v. 2, n. 26, p. 150–169, 2021. DOI: 10.29148/labor.v2i26.72038. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/72038. Acesso em: 18 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.