O O ser docente e o ser mulher:

algumas reflexões acerca das perspectivas de gênero na educação

Palavras-chave: Mulher, Educação, Colonialismo, Colonialidade

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões acerca das perspectivas de gênero na educação e, em consonância, identifica os acontecimentos e as tensões que antecederam e precederam o processo histórico de lutas e conquistas de mulheres que desejavam e/ou precisavam atuar como professoras em décadas passadas. Para tanto, o estudo realiza uma revisão bibliográfica de abordagem analítica e qualitativa, o qual pretende dialogar com uma perspectiva voltada para os estudos pós-coloniais como aporte teórico-metodológico para a análise de questões concernentes à mulher e à educação. Nesse intento, buscamos referências nos estudos de Almeida (1998), Cunha (2021), Santos (2018), Spivak (2014), Walsh (2016), entre outros. 

Biografia do Autor

Stephanie Miranda dos Santos, Universidade Pitágoras Unopar - UNOPAR

Pós-graduanda em Ensino Híbrido e Metodologias Ativas para Educação Básica pela Universidade Pitágoras Unopar Anhanguera (UNOPAR). Pós-graduada em Metodologias do ensino da Língua Portuguesa e Literatura na Educação Básica pela Universidade Pitágoras Unopar Anhanguera (UNOPAR). Graduada em Letras - Português e Inglês pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Esteve em programas como Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e Programa Institucional de Bolsas de Residência Pedagógica. Participou do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Foi voluntária nos projetos de extensão Criança Ativa e Letras: Artes e Ciência da Universidade Católica Dom Bosco.

Gustavo dos Santos Souza, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco - PPGE/UCDB. Licenciado em História - UCDB. Foi bolsista CNPq no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC. Participou como bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID, desenvolvendo atividades em escolas estaduais de Campo Grande - MS. Foi voluntário no projeto de extensão intitulado: Centro de Documentação Indígena Antônio Brand/NEPPI: história e direitos indígenas. Integrante do Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Católica Dom Bosco.

Carlos Magno Naglis Vieira, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Possui graduação em História (2005), Pedagogia (2018), Mestrado em Educação (2008) e Doutorado em Educação (2015) pela Universidade Católica Dom Bosco/UCDB. Professor do Departamento Acadêmico de Ciências da Educação da Universidade Federal de Rondônia (UNIR/Porto Velho), líder do Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais/CNPq e vice-líder do Grupo de Pesquisa Educação e Interculturalidade/CNPq. Foi professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e Doutorado e nos cursos de graduação (História e Pedagogia) da Universidade Católica Dom Bosco/UCDB (2015-2021). Esteve na coordenação da Linha de pesquisa Diversidade Cultural e Educação Indígena do PPGE/UCDB (2017-2021) e na Vice - coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e Doutorado da Universidade Católica Dom Bosco (05/2021-12/2021). É sócio da ANPEd Nacional (GT 21). Atuou como membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UCDB (2016-2021). Pesquisador do Projeto Observatório de Educação Escolar Indígena/MEC/CAPES. Coordenou o projeto do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência/PIBID na UCDB (2015-2017). Foi o Coordenador Geral do VII, VIII, IX Seminário Povos indígenas e Sustentabilidade. Tem experiência na área de História e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: História Indígena, Educação Escolar Indígena. Diversidade Cultural, Índios em contexto urbano, Criança e Infância indígena, Etnologia Indígena, Educação Intercultural e Formação de Professores para contextos inter/multiculturais.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e Educação: a Paixão pelo Possível. São Paulo: UNESP, 1998. (Prismas).

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Intervenções feministas: pós-colonialismo, poder e subalternidade. Estudos Feministas, v. 21, n. 2, p. 689-700, 2013.

BHABHA, Homi Kharshedji. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998. (Humanitas).

BURRILE, Celma Faria de Souza. Trajetória da mulher na história do Brasil: submissas ou ardilosas? In: Anais do XI Encontro Nacional de História Oral. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em: 03 de Março de 2022.

CUNHA, Maria de Fátima da. Homens e mulheres nos anos 1950/60: um modelo definido?. História: Questões & Debates, v. 34, n. 1, p. 201-222, 2001. Disponível em: . Acesso em: 03 de Novembro de 2021.

DUARTE, Constância Lima; PAIVA, Kelen Benfenatti. A mulher de letras: nos rastros de uma história. Ipotesi, v. 13, n. 2, p. 11-19, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003. (Humanitas).

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres em sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007. p. 443-481.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 15-23.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010. (Razón Política).

PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 117-142.

SANTOS, Vivian Matias dos. Notas desobedientes: decolonialidade e a contribuição para a crítica feminista à ciência. Psicologia e Sociedade, v. 30, n. 1, p. 1-11, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/FZ3rGJJ7FX6mVyMHkD3PsnK/?lang=pt. Acesso em: 6 de Setembro de 2021.

SILVA, Glauce Cerqueira Corrêa da. et al. A mulher e sua posição na sociedade: da antiguidade aos dias atuais. Revista da SBPH, v. 8, n. 2, p. 65-76, 2005. Disponível em: . Acesso em: 02 de Março de 2022.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2014. (BABEL).

WALSH, Catherine. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera Maria. Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-42.

WALSH, Catherine. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais. In: CANDAU, Vera Maria. Interculturalizar, Decolonizar, Democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016. p. 64-75.
Publicado
2022-07-03
Como Citar
SANTOS, S. M. DOS; SOUZA, G. DOS S.; VIEIRA, C. M. N. O O ser docente e o ser mulher: . Revista Labor, v. 1, n. 27, p. 194-208, 3 jul. 2022.
Seção
Dossiê